Serra do Rio do Rastro – SC.

serra-do-rio-do-rastro

Visitar a Serra Catarinense e não conhecer esse “perau” (termo sulino para abismos) é como ir até Roma e não ver o Papa. Juntamente com a Serra do Corvo Branco (que liga a cidade de Grão Pará a Urubici) a fantástica Serra do Rio do Rastro, cujas escarpas são a cicatriz da separação entre os continentes africano e sul americano, tem as estradas mais sinuosas e íngremes do Brasil. Eleita internacionalmente como a “estrada mais bonita e mais surpreendente do mundo” a vista que se descortina desde o mirante, com cerca de 1460 m de altitude é de uma beleza sem igual. São cerca de 12 km com 284 curvas entre subidas e descidas, numa estrada repleta de história. Trata-se de um dos pouquíssimos acessos rodoviários cortando a Serra Geral, entre o litoral e a serra catarinense. Este foi o primitivo caminho de tropeiros no passado, que transportavam charques, lãs, queijos da região serrana e sal, frutas, tecidos e remédios do litoral. A travessia, dificílima, num ambiente sempre frio, úmido e ventoso provocou grande mortalidade de mulas por fadiga, choques térmicos, oscilações rápidas de um microclima dinâmico e severo como poucos. A estrada que percorre a Serra é um trecho da rodovia SC-438, que, partindo de Tubarão, próximo ao litoral de Santa Catarina, e passando por Orleans, Lauro Müller, Bom Jardim da Serra e São Joaquim, chega até Lages, no planalto catarinense. No início dos anos 80, a rodovia foi pavimentada e, posteriormente, no trecho do aclive mais espetacular, iluminada. Nós fizemos o percurso desde Urubici, e encontramos a Serra encoberta por densas nuvens. Descemos até o paradouro, no meio dela, e aguardamos as nuvens se dissiparem, para, novamente fazer o trajeto. Desta vez tivemos sorte. A paisagem revelou-se em todo o seu esplendor para nos deslumbrarmos e emocionarmos com tanta beleza. As fotos, a seguir, testemunham que todos os adjetivos qualificativos tornam-se insuficientes para descrevê-la!((Ludmila)
Serra do Rastro neblina

Serra com neblina

Serra do Rastro3

Liv Rio do rastro

Mirante de Bom Jesus da Serra

Tropeiros

Rio do Rastro parador

Serra do rastro 2

Serra do rastro Lud

Serra do Rastro8

Serra do Rio do Rastro início descida

Serra do Rio do Rastro subida

Serra do Rio do rastro1

Serra Rio do rastro 1

Serra Rio do Rastro 6

Serra Rio do Rastro2

Serra Rio do rastro3

Serra Rio do rastro4

Serra do Rio do Rastro4

Lauro Muller

Não deixem de assistir o vídeo abaixo.

“>

    

    Pousada Kiriri-etê

    20140413_180254

    20140413_172126

    20140413_17215620140413_175229

    Urubici por do sol

    Urubici pousada Kiriri

    Lud pousada 3

    Lud pousada2

    Lud Pousada4

    Lud pousada5

    20140416_105326

    20140416_10564420140413_180001

    20140414_102614
    20140414_141728
    Kiriri-etê, em tupi guarani significa “O lugar do verdadeiro descanso” e o nome não poderia ser melhor escolhido. A pousada fica 6 km antes da entrada da cidade, encrustada na maravilhosa vegetação do lugar, em meio ao lago, hortênsias, céu azul, canto de pássaros e silêncio. Fomos recebidos por Vera Zilli, a proprietária, não como hóspedes, mas como amigos de longa data. A decoração campestre, o aconchego, o calor da lareira, a vista da serra e os deliciosos pratos supervisionados por Vera, que também é chef de cuisini, fizeram toda a diferença em nossa estadia neste paraíso. A pousada funciona com diárias avulsas e pacotes promocionais, absolutamente acessíveis a quem se dispuser a conhecer o paraíso.
    Urubici mapaPartimos de Urubici com o firme propósito de retornar em breve! A estarda que tomamos foi a da decida da Serra do Rio do Rastro (outro passeio inesquecível) passando por São Joaquim (a cidade onde sempre neva no inverno) Bom Jardim da Serra, Lauro Muller, Orleans e Grão Pará. A parada em São Joaquim foi por mera curiosidade de conhecer a cidade mais fria do Brasil. Seu atrativo maior, deve ser mesmo a neve que transforma toda a paisagem e atrai milhares de turistas. Fora isso, é uma cidade pequena, sem grandes atrativos. O Parque de exposições da maçã estava fechado. Aproveitamos para comprar maçãs deliciosas na estrada, e também o agora famoso vinagre de maçã que recobrou a fama por suas qualidades medicinais: além de poderoso antiséptico, dizem quecombate a pressão alta, o reumatismo, combate o colesterol, a osteoporose e a artrite, entre outros benefícios. Nos informaram de que a cidade possui excelentes vinícolas com degustação, mas nós não paramos para conferir.
    Abaixo algumas fotos de São Joaquim, o belo portal de entrada da cidade, com homenagem aos tropeiros, o restaurante, o mirante e a Igreja Matriz toda de pedra.
    portal São Joaquim
    São Joaquim
    20140416_141402
    20140416_125002
    20140416_125256
    São Joaquim, restaurante

    A seguir, a descida da Serra do Rio do Rastro

      

      Urubici: Cavernas do Rio dos Bugres

      Urubici Cavernas21
      Distante 6 km do centro da cidade, em direção ao Morro da Igreja, este sítio não é devidamente sinalizado, pois encontra-se numa propriedade particular. Chegamos até as cavernas, parando e pedindo informações às pessoas que encontrávamos pelo caminho. O itinerário é mais ou menos o seguinte: ao passar pela Igreja de Santo Antonio, na localidade de Santo Antonio, entrar na primeira rua à esquerda e seguir até a gruta do Rio dos Bugres, por uma estradinha de terra batida (em bom estado) por aproximadamente uns 12 km, tendo, também à esquerda, sempre, a presença do Rio dos Bugres. Quase chegando, começam a aparecer as placas indicativas. Na propriedade, fomos recebidos pela simpática e falante proprietária que nos informou que a estrada até as cavernas estava intransitável e que teríamos que subir a pé. O ingresso foi simbólico: R$3,00 por pessoa, com direito às lanternas. A história do local é bastante curiosa. Ela nos relatou que vem recebendo visitas periódicas de geólogos, que divergem nas opiniões. Para alguns, as cavernas (elas estão mais para covas, ou túneis, ou labirintos interligados com diversas saídas e boa ventilação) são resultado da passagem de lavas pelo local, em tempos muito remotos. Para outros, os buracos teriam sido feitos por tatus gigantes, pré-históricos, que habitavam a região. Já no guia turístico, a informação que consta é a de que as “covas” de origem desconhecida, teriam servido de abrigo para os índios que habitavam a região. Nelas, os “bugres” se protegiam contra o frio intenso da Serra e contra os animais selvagens. No entorno das cavernas existem poços escavados com armadilhas para captura de animais de grande porte, mas o acesso a elas está fechado por motivo de segurança. Após uma subida íngreme de uns 300 metros, as cavernas surgem camufladas por densa vegetação. É um passeio muito interessante!Rio dos Bugres
      Urubici cavernas3
      Urubici Lud caverna
      Urubici Lud cavernas2 A paisagem do entorno das grutas é maravilhosa. Abaixo as fotos do rio, da estrada de acesso e dos moradores 20140415_164011
      20140415_174149
      20140415_175224Urubici céuUrubici ponte suspensaUrubici ponte sobre o Rio dos BugresUrubici Rio a caminho das grutas20140415_172131Outra atração para os visitantes da cidade é a gruta de Nossa Senhora de Lourdes. Ponto de peregrinação religiosa, é uma gruta natural, cercada por paredões de rocha, dentro de um belo parque. Atrás de uma queda d’água de dez metros de altura, encontra-se a imagem de N.Senhora com muitos objetos e fotos deixadas no local pelos fiéis, como testemunho de graças alcançadas. A gruta fica no bairro de Santa Tereza, a 10km do centro, em direção do Morro da Igreja.
      20140415_155951 20140415_160429Urubici Cascata da grutaUrubici-Gruta-N-Senhora-de-Lourdes
      20140415_160213
      20140415_160938
      Próxima postagem, a maravilhosa pousada Kiriri etê.

        

        Urubici, SC. Inscrições Rupestres

        Mascara do GuardiãoInscrições rupestres UrubiciA pedra com as muitas inscrições rupestres fica no Morro do Avencal, no km 5 da estrada que vai para São Joaquim. Se a gente não ficar atenta, passa por ela sem se aperceber, pois a placa indicativa está arrancada e jogada num canto da estrada mostrando a direção contrária! Na pedra, imensa, estão as inscrições deixadas por povos que habitaram a região há pelo menos 4.000 anos, um dos mais importantes registros arqueológicos em território catarinense (segundo informações do folder). Presume-se que esses povos considerassem sagrado o local das inscrições. Dentre os desenhos estaca-se a imagem perfeita de um rosto, a “Máscara do Guardião”, que deve ser procurada atentamente pelo visitante. Quando eu soube, pelo guias da região, da existência desse registro, fiquei muito emocionada. Estes sinais civilizatórios tão antigos, sempre me remetem a um estado de espírito atemporal, onde minha alma viaja e recria histórias dentro da história. Eu imaginei que encontraria um espaço cercado, protegido, respeitado, resguardado. No entanto, o abandono do sítio fez com que eu passasse por ele, à deriva. Precisei retornar e buscá-lo. Realmente não entendo o descaso tão grande que nutrimos por nosso passado, passado que pertence a toda a humanidade. Afinal, sinais que datam de 4 mil anos, deveriam ser resguardados, relíquias arqueológicas vivas, a nos indicarem a continuidade da vida humana sobre o planeta. No entanto, a pedra está marcada com inscrições tipo “Jonatan e Elisete estiveram aqui”, sacos de plástico, latas de refrigerante e fezes infestam o lugar numa flagrante ignorância que hoje impera em nosso País, de história tão desrespeitada. Ah! Fosse em qualquer país fora do nosso e as inscrições estariam protegidas por molduras de vidro, o lugar teria inclusive taxa de visitação cobrada e filas de estudantes e historiadores ávidos em visualizar tamanha riqueza. Mas…estamos no Brasil! (Ludmila)Urubici Placa Inscrições RupestresUrubici Cartaz inscrições rupestres (foto antiga, da Internet, hoje a placa está ilegível)20140415_132100Urubici rupestres blogUrubici Rpestres3 blogUrubici Máscara do guardoãoUrubici Mascara doi GuardiãoSeguindo mais alguns km e entrando em propriedade particular, chegamos à Cachoeira do Avencal, com seus 100 metros de queda livre em meio aos penhascos. Pode-se chegar de carro até o alto da cachoeira, depois, o percurso é feito a pé.Urubici  pedra e cachoeira2011 (626)20140415_12382820140415_125054 20140415_124052No retorno, uma paradinha para ver a vista panorâmica da cidade:Urubici vista panoramica20140415_122029 A seguir, as Cavernas do Rio do Bugre e a Gruta Nossa Senhora de Lourdes

           

          Próxima parada: Urubici – SC.

          Pedra furada ótimo
          Urubici: breve história
          Urubici é um termo de origem indígena, que significa: uru= pássaro e Bici= liso, lustroso.
          Segundo historiadores, o ano de 1711 é data base para o surgimento de Urubici, quando D. João V ordenou que os jesuítas procurassem minas e catequizassem os índios até o Rio Caçadores. Conta-se que a região era pródiga em ouro e que grande porção dele foi enterrada nas rochas pelos jesuítas. Os índios, na maioria tupi-guarani (xoclengues) foram expulsos, mas vestígios de sua civilização ainda podem ser encontrados nas inscrições rupestres espalhadas por todo o território. Urubici registrava um pinheiral espantoso, um “mar de pinheiros”, e alguns banhados, com sumidouros de animais e pessoas não orientadas. Em 1924, sabendo da fertilidade no solo do vale do Rio Canoas, chegaram, à região, imigrantes italianos, alemães e letões, que tornaram, a agricultura e pecuária, as principais atividades econômicas da região. Localizada nas montanhas da Serra Catarinense, região com altitudes próximas aos 1 800 metros, Urubici registra as temperaturas mais baixas do Brasil. Foram os fazendeiros da região que criaram o turismo rural, adaptando suas fazendas centenárias para receber hóspedes. A exuberante paisagem de suas montanhas, principalmente na região ao redor da Serra do Corvo Branco, que inclui duas extensas áreas de natureza intocada: O Parque Nacional de São Joaquim e o Campo dos Padres, bem como o Cânion do Espraiado, atraem centenas de visitantes, todos os anos. Posto para vocês algumas fotos desta viagem fantástica. Como bem dizem, imagens valem mais do que palavras…Venham aproveitar comigo este passeio! (Lud)

          Urubici, carro
          Pedra Furada
          O Morro da Igreja é o ponto habitado mais alto do Sul do Brasil (1.882 m) A subida é por estrada asfaltada, mas antes é preciso pedir permissão ao Ibama, pois há limite de carros para visitação por dia. A permissão é obtida sem qualquer burocracia e sem custo. A Área pertence à Aeronáutica. Do alto do morro se tem uma visão privilegiada da Pedra Furada, e, se o dia for claro, pode-se enxergar o mar, a mais de 100 km dali.

          Urubici morro da Igreja 4
          Urubici Parque São Joaquim
          20140414_121438
          Urubici Morro da igreja
          mapa No meio do caminho para o Morro da Igreja, está a Cascata Véu de Noiva, com 62 metros de queda. A água desliza suavemente por grandes rochedos. Ela encontra-se em propriedade particular, que cobra uma pequena quantia para a entrada dos visitantes.
          Urubici Cachoeira Veu de Noiva
          Outra atração, que, aliás, foi a que mais me impressionou de todo o passeio, foi a descida de Urubici a Grão Pará pela lendária estrada da Serra do Corvo Branco. Grão-Pará possui uma conexão muito forte com a história imperial. As terras do município foram dadas como presente de casamento para a princesa Isabel e o Conde D’ Eu. Antes, essas mesmas terras eram habitadas pelos índios botocudos, chamados de “bugres” pelos colonos da época. Um dos pontos mais característicos da estrada é a garganta, onde ela se inicia e corta dois paradões de pedra paralelos, com cerca de 90m cada. O trecho é considerado o maior corte em rocha arenítica do Brasil. Do lado esquerdo o paredão é úmido e do lado direito é seco. Isso se justifica por causa da inclinação leste-oeste do Arenito Botucatu, que forma o Aquífero Guarani. As curvas fechadíssimas, a pequena largura da estrada mal pavimentada, o tamanho gigantesco das rochas de bazalto, deram-lhe a fama de ser a mais temível de todo o Brasil. A Serra do Corvo Branco foi a primeira estrada a ligar o Litoral à Serra de Santa Catarina e tem formação rochosa de 160 milhões de anos. Caminhos secretos abertos na mata levavam os índios da serra ao litoral. Mais tarde, as mulas dos tropeiros também viajaram pelos perigosos desfiladeiros, deixando homens e animais mortos nos precipícios. Segundo se conta, a estrada foi aberta a dinamite e picareta pelos habitantes que não possuíam saída para fazer escoar sua produção agrícola.
          Urubici Corvo Branco, informação
          Urubici Serra do Corvo Branco
          Urubici Serra do Corvo Branco 2
          Urubici Serra do Coirvo Branco 3
          Urubici Serra do Corvo descida
          Urubici Serra flor4
          Urubici Serra flor3
          Urubici Serra com flor
          Serra Corvo Branco com Megane
          Serra do Corvo Branco da Net
          Urubici Serra do Corvo Branco 3
          Serra Corvo Branco 5
          Serra do Corvo Branco 1
          A seguir, publicarei nosso passeio às Cavernas do Rio dos Bugres, à Gruta de N.Senhora de Lourdes e mostrarei as interessantes inscrições rupestres no Morro do Avencal, onde há também uma incrível Cachoeira.Tudo isto em Urubici. Sigam comigo! Ludmila

            

            Entrevero: Uma deliciosa receita regional

            entrevero
            Em todas as viagens, acabamos entrando em contato, também, com a gastronomia regional.
            Hoje, quero apresentar-lhes um prato delicioso, à base de pinhão.
            Entrevero é uma receita típica da Serra Catarinense que tem sua origem na língua espanhola platina e que significa confusão, mistura desordenada. Daí a origem do nome do prato, muito usado na região serrana . Ideal para o inverno, é uma receita fácil e deliciosa.
            Ingredientes
            Serve: 4 pessoas
            • 500 g de alcatra em cubos
            • 500 g de pinhões cozido(s) cortados em 4 pedaços (no comprimento)
            • 100 g de bacon em cubos
            • 200 g de lombo de porco em cubos
            • 150 g de linguiça calabresa
            • 4 tomates em cubos pequenos sem sementes
            • 1 pimentão vermelho cortado em cubos pequenos
            • 1 pimentão amarelo cortado em cubos pequenos
            • 1 pimentão verde cortado em cubos pequenos
            • 3 cebolas médias cortadas em cubos pequenos
            • Pimenta-do-reino branca (1 ou duas pitadas)
            • Manjericão (folhas inteiras a gosto)
            • Sal a gosto
            Modo de preparo
            Preparo:50mins › Cozimento: 30mins › Pronto em:1hora20mins
            1. Em um tacho ou disco, frite o bacon e reserve.
            2. Na gordura do bacon, frite aos poucos as carnes e a linguiça, sem deixar dessorar, e reserve.
            3. Enquanto isso, cozinhe o pinhão em panela de pressão por aproximadamente 40 minutos.
            4. Após fritar o bacon e as carnes, frite a cebola até dourar no restante da gordura que sobrou no tacho. Acrescente o tomate, os pimentões e deixe formar um molho grosso. Se necessário, acrescente um pouco de água.
            5. Após o molho estar pronto, retorne ao tacho o bacon e as carnes. Adicione o pinhão cortado em quatro e os temperos a gosto.
            6. Cuidado com o SAL; recomendo experimentar antes de salgar a receita.
            Dica
            Antes de cozinhar o pinhão, cortar a “ponta” fora, pois além de poder avaliar o pinhão, fica muito mais fácil para descascar, bastando apertar a “bunda” para ele soltar o pinhão.
            Bom apetite!

               

              Treze Tílias – O Tirol Brasileiro

              portal-entrada-treze-tilias-(Portal Treze Tílias)Treze Tílias foi fundada em 1933, quando o então Ministro da Agricultura da Áustria, Andreas Thaler, trouxe para Santa Catarina o primeiro grupo de imigrantes austríacos da região do Tirol. Decidido a fazer um programa de colonização para contornar a grave crise econômica que antecedeu a Segunda Guerra Mundial, encontrou aqui as terras apropriadas e fundou a “Colônia Austríaca Dreizehnlinden: Treze Tílias.”
              A cidade é conhecida como “O Tirol Brasileiro” devido aos valores culturais e artísticos que foram trazidos pelos imigrantes austríacos e cultivados, até os dias de atuais, por seus descendentes. Com eles veio também a arte da escultura em madeira, que aqui se desenvolveu, tornando a cidade conhecida como a Capital da Escultura de Santa Catarina. A cidade é destaque pela arquitetura típica Alpina da Áustria e pelos fascinantes trabalhos em madeira produzidos por seus artistas.As obras espalham-se pelos inúmeros atelieres,encontram-se nos umbrais de portas, nas varandas, nos detalhes de decoração das casas, bem como no mobiliário. Destacam-se, principalmente, as esculturas sacras, de todas as formas e tamanhos, que são conhecidas no mundo todo.
              Quase todas as construções têm uma torre e um galo, símbolo da disposição do tirolês para o trabalho. A cidade possui vários pontos de visitação e dispõe de ampla infra-estrutura hoteleira e gastronômica, onde a gente encontra conforto, bom atendimento, e um clima de acolhimento absolutamente doméstico, pois a maioria dos estabelecimentos são administrados pelas próprias famílias. A vida noturna limita-se a algumas choperias e shows típicos em hotéis. O comércio é pequeno, com destaque para lojas de souvenires. Há dois parques muito interessantes: O Parque do Imigrante e o Parque Lindendorf, com o Restaurante Edelweiss de comida típica, e a Mini cidade. São passeios apropriados para descanso e para programas familiares.Treze Tilias3

              Treze Tílias...passeio de trenzinho

              Treze Tílias 3

              Treze Tilias cidade

              Treze Tilias residência

              prefeitura-treze-tilias

              Rio Treze Tílias2

              Treze Tílias à noite

              Treze Tilias

              Treza Tilias vista sacada do hotel2

              20140411_182312

              20140411_201457

              20140411_201601

              20140412_120406

              20140412_111419

              20140411_202704

              20140412_183905

              20140412_211302

              20140412_211243

              20140413_113202

              Treze Tilias Park Hotel

              minicidade Treze Tilias

              Parque Lindendorf Treze Tilias

              Chocolates Treze Tilias

              Parque Lindendorf 2

              Mini cidade Lindendorf

              museu-treze-tilias. 2jpg

              Parque Lindendorf

              Parque  Treze Tilias

              Parque do Imigrante Treze Tilias

                

                Roteiro de viagem pelo sul do Brasil – Santa Catarina

                Estrada de Eldorado (Estrada de Eldorado, rumo à Caverna do Diabo, SP.)
                Bananal em Eldorado(Plantação de bananas em Eldorado, cultura presente em toda a região)Eldorado(Igreja Matriz de Eldorado)Rio Jacupiranga em Eldorado(Rio Jacupiranga em Eldorado)

                Depois que terminamos nossa visita à Caverna do Diabo em Eldorado, SP. (post anterior) seguimos direto pela BR 116, até Mafra, primeira cidade de Santa Catarina na divisa com Paraná, onde pernoitamos em excelente hotel. Pela manhã pegamos novamente a estrada, com destino a cidade de Treze Tílias, passando pelas cidades de Caçador, Rio das Antas, Videira, até chegar ao nosso destino.
                Mafra Santa Catarina 1 (Mafra, Santa Catarina)Mafra 3(Mafra, Santa Catarina)Estrada Caçador (Estrada rumo à cidade de Caçador, SC.)entrada Rio das Antas(Portal de entrada para a cidade Rio das Antas, SC.)
                Rio das Antas aerea (Cidade Rio das Antas, SC.)Cidade Rio das Antas(Cidade Rio das Antas, SC.)cidade de Caçador, Rio das Antas, Santa Catarina(Parada obrigatória para tomar um chimarrão e comprar erva mate de excelente qualidade, Rio das Antas, SC.)Igreja matriz Videira (Videira, Matriz da cidade)Parte_do_centro_de_Videira_SC(Vista do Centro de Videira, SC.)Videira 2 (Praça de Videira com decoração de Páscoa)Videira 3 (Cidade de Videira com decoração de Páscoa)Videira 3(Praça de Videira com decoração de Páscoa)Museu do Vinho em Videira(Museu do Vinho em Videira, SC.)
                Mapa Treze Tilias(Mapa da Região de nosso passeio em Santa Catarina)

                Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...