Amigos Reais e Amigos Virtuais

11390485_913252765383893_4315402416281616531_n (Imagem Internet)

Tenho por hábito recortar e guardar matérias de jornais e revistas que, de alguma forma, me sensibilizam. Tenho em casa um arquivo enorme de papéis amarelados pelo tempo, conservados em pastas, dos quais não consigo me desfazer. Reler esses textos me inspira, faz-me refletir sobre o cotidiano, me enternece, às vezes, outras, me entristece. Abro as dobraduras, revejo o conteúdo dos escritos, dobro novamente e torno a arquivar.
Semana passada repeti o ritual e, como de costume, separei a matéria de um grande jornal que falava sobre o “personal amigo”. Nela, o articulista me informava de que surgiu uma nova profissão. Você paga uma taxa, que varia entre R$100,00 e R$500,00 a hora, contrata o serviço e recebe a atenção de uma pessoa especializada em atenuar a sua solidão! E com uma ressalva: O personal amigo só lhe faz companhia. Nada de namoro ou sexo! É pura e simplesmente amizade!
São novos tempos! Novas relações! Novas formas de suprir carências. As pessoas passam cada vez mais tempo na Internet. Abrem-se com desconhecidos. Participam de mil e uma comunidades: face, whatsApp, twitter, repartem confidências, criam dependências, matam o tempo, mas, no final das contas, por melhor que seja “teclar” com alguém, amigo tem que ser de carne e osso. Amigo é para ter-se ao lado, poder pegar na mão, chorar no ombro, dialogar sentindo o hálito, olhando nos olhos, conversando ao vivo, entendendo melhor a si mesmo e ao mundo, pela visão do outro.
O espaço virtual, sem dúvidas, nos protege, abre inúmeras fronteiras, possibilita falar em tempo real com alguém lá das Filipinas ou de Carapicuíba, mas, ao mesmo tempo, esse ato não nos basta, bichos humanos que somos. E, bichos humanos que somos, chegamos a um tempo em que a falta de tempo é tão aterrorizante, que já não conseguimos nem ser e nem ter amigos como antigamente: Amigos para sair e tomar um chá ao final da tarde, para ir ao cinema junto, para sentar no banco de uma praça e jogar conversa fora. Amigos que nos alimentam a alma, que nos curam com a sua presença e não, simplesmente, aliviam a nossa solidão.
Amigo de verdade tem história e segredos compartilhados, tem calor humano, vibração e cheiro. Amigo de verdade, sabe ouvir e calar-se. Reconhece nossos erros sem nos julgar e vibra com nossos acertos. Amigo de verdade tem aquela voz que reconhecemos à qualquer distância, que nos conforta e nos fortalece. Voz de Claudia, de Tereza, de Dyrce, de Lucimara, de Marilda, de Maurício, de Luiza Irene, de Mirian, de Zé Winston, de Mário, de Orlando, de Mariângela, de Jussara, de Edna, de Sônia, de Celso, de Eliana, de Eliane, de Dolores, de Célia, de Nair, de Graciela, de Eloisa, de Meiri, de Benny, de Ocílio, de Magela, de Rubinho, de Van, de Carolina, de Cris, de Valdeci, de Ana Paula… Ô meus queridos amigos, que saudade de vocês!
(Ludmila Saharovsky)
Crônica publicada na Revista Absollut deste mês.

    

    Lua Azul em Santa Branca

    Lua Azul em santa Branca

    André Mancha Lua Azul em Santa Branca

    Lua Azul:
    Ela é atípica porque vai ser a segunda lua do mês de julho (a primeira aconteceu no dia 2). Normalmente, os meses têm uma única lua cheia, já que o ciclo lunar dura em torno de 29,5 dias. Só que, como nota o site Galeria do Meteorito, se dividirmos este número pelos 365,2 dias do ano, teremos 12,3 luas cheias anuais. De tempos em tempos, devido ao acúmulo destes “0,3” e à variação do número de dias nos meses (28 a 31), um ano como 2015 acaba tendo 13 luas cheias. (Ludmila)

    As fotos, belíssimas são de autoria de André Mancha

        

      Filigranas

      Arte de Jarek Kubicki
      Hoje me choquei contra a realidade do céu azul
      e a palavra que queria dizer-te, espatifou-se em minha boca:
      Virou suspiro, virou soluço, virou saliva, virou susto!
      De repente, o eixo de marfim que me mantinha centrada neste mundo, equilibrada, equidistante, tornou-se uma espiral de sonhos a atravessar-me, a dividir-me ao meio: Metade mulher, metade filigrana ornando um camafeu onde vejo a estampa de meu próprio rosto.
      Sou fêmea na aurora, preenchida por seixos e presságios, deusas e demônios, pardais, andorinhas, adágios de violoncelos e flautas.
      Consegues perceber a metamorfose?
      Será que mesmo assim, poderás identificar-me?
      Sentir meu cheiro e gosto?
      Perceber esse alarido de pássaros que me atravessa a alma
      e se desprende de mim, feito choro de violoncelo e cuíca em contraponto?
      Ah! meu coração está repleto de candeias acesas, tochas, archotes, velas aguardando um rito nobre que o ressuscite, que o redima.
      Estou assim, indefesa no universo: a vida escorrendo em mim, feito areia na ampulheta. Escorrendo, escorrendo, mais um grão…mais um,
      enquanto vou me consumindo nessa miragem, abismada em profundezas infinitas.
      Ilusões, ruídos de tambores distantes enviando mensagens cifradas:
      Para que? Para quem? Para mim? Para este outro que em mim se esconde?
      Mas afinal, de quem é este destino que se tece assim, meio que à revelia, entre as cordilheiras?
      Ludmila Saharovsky com arte de Jareck Kubicki

         

        A menina e a boneca

        boneca2
        A menina ganhou a boneca tão desejada. Presente de aniversário. Certa tarde, esqueceu-se dela na casinha armada entre os canteiros do jardim. Manhã seguinte, a boneca, coberta pela geada, perdeu a voz e o azul dos olhos de vidro enlagrimou-se. Choram, a menina e a boneca, no jardim, inconsoláveis. Na boneca, dá-se um jeito. Na dor da menina, não! (Ludmila)

          

          Revelando São Paulo

          20150711_142537

          20150711_142758

          20150711_142837

          20150711_143619

          20150711_144024

          20150711_145109

          20150711_155148

          20150711_155454

          20150711_160300

          20150711_160341

          20150711_160517

          20150711_160744

          20150711_161250

          feira-revelando-sao-paulo-artesanato-318

          Revelando São Paulo 2 bonecóes e cabeções do Zé Pereira

          Revelando São Paulo

          revelando_1

          20150711_161748

          Inscrições para o Revelando São Paulo 2015

          Acontece em São José dos Campos, no Parque da Cidade, entre os dias 9 e 12 de julho, a décima quarta edição do Revelando São Paulo de 2015. O projeto foi criado em 1996 pela Abaçaí Cultura e Arte, em parceria com o Governo do Estado de São Paulo.

          Por meio de suas pesquisas e parceiros, este programa revela a importância da cultura imaterial, de saberes e fazeres de várias comunidades e pessoas da região, procurando contribuir com a sua manutenção e extroversão, envolvendo as diversas instâncias dos poderes públicos municipais e estadual, para que se garanta as condições necessárias à sua continuidade.

          A cada ano somos levados à uma festa de cores e sabores, num festival de cultura popular, onde entramos em contato com a produção artesanal de muitas cidades do estado, bem como com as suas tradições folclóricas e a rica culinária. Um programa sempre imperdível, que, a cada ano percorre as cidades do interior do Estado.