A flor aberta do poema

flor delicada

É noite alta, mas o verso urge:
brota em palavras soltas em minha boca.
Tremem os dedos, antecipando letras
Na mão pousada em reverente espera.
E eis que surge a criação inteira
e a escrita, agora, é uma flor aberta
no campo sagrado do poema.

(Ludmila)

Zenilda Lua, Brisa Almeida e Reginaldo Poeta: escrevi para vocês!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
    

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

    Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>