Contos mínimos: A terceira margem do rio


Aspirando o cotidiano pó do carpete, imaginou que a mancha de umidade proviesse de algum cano furado. Chamaria o encanador, tão logo terminasse a faxina. Em poucos minutos porém, um estreito riacho já percorria a sala. Extasiou-se observando a água crescer em volume. Logo, caudaloso rio dividia a casa em duas margens. As garças não tardaram em surgir, tampouco os peixes. Ao entardecer, preparativos findos, trancou portas e janelas. Armada com os apetrechos de acampar, inflou a canoa e partiu para a outra beira. Mergulhada no deleite da travessia, lembrou-se de que nada dissera à família. Pensou em retornar, mas, seu muro e o jardim já nem se vislumbravam no horizonte.
(Ludmila Saharovsky)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
    

    2 pensamentos sobre “Contos mínimos: A terceira margem do rio

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

    Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>