As palavras andantes



Tenho um livro, que amo, intitulado “Palavras Andantes”. seu autor é o uruguaio Eduardo Galeano, e quem ilustra o livro, com xilogravuras fantásticas é o nosso artista de cordel, José Francisco Borges, o J. Borges, que mora em Bezerros, cidadezinha do interior de Pernambuco. É uma obra belíssima, que a gente não consegue parar de devorar: com os olhos e com a alma. Dela, retiro este pequeno fragmento para que vocês se deliciem:
Janela sobre a memória (II)
Um refúgio?
Uma barriga?
Um abrigo onde se esconder
quando estiver se afogando na chuva,
ou sendo quebrado pelo frio,
ou sendo revirado pelo vento?
Temos um esplêndido passado pela frente?
Para os navegantes com desejo de vento,
a memória é um porto de partida.
(Eduardo Galeano)

Ah…Não resisto e posto outro fragmento…

Janela sobre a palavra (IV)
Magda Lemonnier recorta palavras de jornais, palavras de todos os tamanhos, e as guarda em caixas. Numa caixa vermelha guarda as palavras furiosas. Numa caixa verde, as palavras amantes. Em caixa azul, as neutras. Numa caixa amarela, as tristes. E numa caixa transparente guarda as palavras que tem magia.
Às vezes, ela abre e vira as caixas sobre a mesa, para que as palavras se misturem do jeito que quiserem. Então, as palavras contam para Magda o que acontece e anunciam o que acontecerá.
(Eduardo Galeano)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
    

    2 pensamentos sobre “As palavras andantes

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

    Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>