Diários Imaginários I


Bastava atravessar a rua larga, e a floresta estava logo ali, à volta toda. Um cinturão verde contendo dentro de sí o minúsculo povoado. Os altos ciprestes, as moitas silvestres em sua abundante produção de pequeninos frutos, o sol brincando de fazer sombra entre os galhos, os montes altos e fofos dos formigueiros, os riachos com suas toscas toras de madeira permitindo a travessia e, de repente, um farfalhar que encobriu todos os ruídos. Sobressaindo em meio às folhagens, primeiro revelou-se a pelugem aveludada das orelhas e depois, a cabeça inteira da lebre curiosa, como que se despregou do chão forrado de folhas e sementes. Por um breve lampejo de tempo, seus olhares se fixaram, mas, logo depois ela sumiu da mesma forma que surgira: farfalhando!
Repentinamente o céu fechou-se prenunciando chuva, e ela, sem ter para onde ir, abrigou-se como pode sob o teto de galhos e folhas entrelaçadas, enquanto grossos pingos caiam à seus pés. Logo, a paisagem toda refletia-se em fragmentadas superfícies espelhadas,e, de novo, o sol! Ela deixou o abrigo improvisado e prosseguiu seguindo a trilha. Longos e largos caules a cercavam. No ar, o aroma quase palpável da terra molhada. E, de repente , um rumor de passos. Virou-se. Ninguém. Um longo arrepio percorreu seu corpo. Tentou tranquilizar-se e voltar. Mais algumas horas e o entardecer traria a noite! Caminhou, caminhou, e, quanto mais andava, mais a floresta a envolvia. Mas a rua passava logo ali! Enganosos se mostraram todos os caminhos. Qualquer direção que tomasse, não a levava à saída. E…os passos. Parava, eles desapareciam. Recomeçava a andar e o crepitar das folhas recomeçava. Quem esta ai? Perguntou diversas vezes, virando-se bruscamente. Nenhuma resposta! Começou a inquietar-se. Parou. Fazer o que? Ficar plantada ali, esperando que alguém do grupo viesse ao seu encontro? Mas, como foi que se perdeu? Estavam todos juntos recolhendo frutas quando surgiu a lebre…e depois a chuva… e depois… e depois só ela, a floresta e aquela certeza já, de que não estava só! Olhou à sua volta…Sentou-se sobre a sacola de lona. O que faria se as trevas a alcançassem antes dos amigos? Espantou aqueles pensamentos. O que quer que acontecesse, tinha que manter a calma. Os nervos no lugar. Não permitiria que o pânico a subjugasse. Respirou fundo, e neste momento…algo junto ao cipreste visinho se mexeu. Seu corpo enrijeceu ante a expectativa que alguém se revelasse. Nada! Prendeu a respiração e, tentando não fazer barulho, arrastou-se até a árvore vizinha. O ruído repetiu-se junto a outra, e ela o seguiu. E assim, esgueirando-se de árvore em árvore, sem se aperceber do tempo, das folhas molhadas, do zumbido dos pernilongos, ela voltou e divisou a clareira que indicava a conhecida rua. E o grupo de amigos que se preparava para voltsar.
Então..até que você não se molhou muito. Chuva rápida, essa de outono… Vem e de repente já termina, alguém falou.
Que bom que vocês estão aqui. Pensei que eu havia me perdido….
Perdeu-se? …Na moita ao lado?…
Ela olhou na direção em que estivera embrenhada, o que lhe pareceu, longas horas e… viu, poderia jurar que viu uma pequenina mão lhe acenando em adeus, por entre os velhos e longos caules da floresta.
Ludmila Saharovsky (escrito na Reserva florestal do rio Pinhega. Arhangelsk – Rússia)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
    

    Um pensamento sobre “Diários Imaginários I

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

    Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>