Ilha de São Francisco do Sul – SC

B São Francisco
Saímos para conhecer São Francisco do Sul, cidade histórica próxima de Joinville, da casa de meu filho, em Rio Grande, RS.
Poderíamos ter feito a viagem, passando por Porto Alegre, pegando a BR101 e seguindo pelo litoral até Santa Catarina, mas, como queríamos rever Mostardas, optamos pela travessia de balsa até São José do Norte e de lá pegamos a BR101. No trecho até Osório, não há cobrança de pedágio, mas, de Mostardas para frente a estrada apresenta-se em péssimo estado de conservação, com buracos que são verdadeiras crateras na pista. É preciso viajar com a atenção redobrada e evitar a noite, quando a visibilidade torna-se pior. E rezar para que não chova!
A distância entre Rio Grande e a ilha de São Francisco, pela BR101 é de quase 1000 km. Chovia muito, assim, nós paramos em Torres para pernoitar, e também em Itajaí, de onde seguimos, com tempo nublado, mas sem a chuva forte que caíra, para, finalmente, alcançar nosso destino. Eu estava muito ansiosa, pois tinha visto muitas fotos e sabia que São Francisco do Sul era a cidade mais antiga de Santa Catarina. Colonizada por franceses, espanhóis e açorianos, sua primeira ocupação, foi feita temporariamente por espanhóis por volta de 1553. Seus habitantes orgulham-se em dizer que em 1504 a expedição de Binot Paulmier de Gonneville teria aportado em sua costa, mas não há documentos que comprovem o fato. De qualquer maneira é uma linda cidade, bem conservada, com o maior museu náutico do Brasil, o Museu do Mar. O centro histórico, restaurado e muito bem conservado foi tombado, em 1981, pelo município, e em 1987, pelo IPHAN, com destaque ao seu valor paisagístico.
20150123_153414

20150122_134917

20150122_201818

20150123_100227

20150123_153444

20150123_202413
Há muitos e bons hotéis na ilha, a preços bem acessíveis. Ficamos num, na cidade histórica, de frente ao antigo Mercado, com vista para o mar. Foi uma excelente escolha, pois estávamos interessados em conhecer o museu, fazer o passeio de escuna pelas ilhas, visitar a catedral secular e seu museu sacro. A localização do hotel permitiu-nos fazer todos os passeios a pé, e ainda almoçar no excelente restaurante de frutos do mar a uma quadra de distância. Lanchamos no antigo mercado, compramos souvenires nas lojinhas adjacentes e embarcamos na escuna no porto bem defronte à praça do hotel, alem de admirarmos um por do sol inesquecível da janela de nosso quarto,gozando de muito silêncio à noite, quando o centro se esvaziava de turistas.
20150122_132806

20150122_133155

20150122_141731

20150123_100938

20150123_103525

20150123_191545

20150123_195856

20150123_200916

Há duas formas de chegar à São Chico do Sul. Uma é esta, pela estrada. A outra é numa viagem de barco, que sai de Joinville e percorre a baia da Babitonga até chegar e esta que é uma das cidades mais antigas do Brasil, permanecendo alí durante uma hora e meia, tempo suficiente para conhecer apenas a parte historica do centro.
BARCO PRINCIPE 8

    

    Ponta Grossa, PR.

    PORTAL pONTA gROSSA
    Ponta Grossa é uma das cinco maiores e mais importantes cidades do Paraná. Além de Vila Velha, a região reserva muitas outras belezas e atrações imperdíveis, que não se pode deixar de conhecer.
    Uma delas é o Buraco do Padre, que fica no distrito de Itaiacoca, a 26km do centro de Ponta Grossa, com acesso pela PR-513, uma estrada de terra bem conservada.
    Trata-se de uma área de lazer cuja atração é o anfiteatro subterrâneo, ou uma furna, de 430m de altura e 30m de diâmetro. Em seu interior corre o rio Cerradinho, que forma uma cascata que cai das paredes a uma altura de 30m. O nome remete a histórias dos Jesuítas nos Campos Gerais, que costumavam se dirigir ao alto do platô para meditar e eram observados pelos indígenas ou caboclos.

    foto Internet

    foto Internet


    Outra atração é o Mosteiro da Ressurreição, onde vivem os monges beneditinos. Eles produzem licores, velas, cerâmicas, pinturas e artigos litúrgicos. Nós tivemos o privilégio de assistir à missa dominical, toda celebrada em canto gregoriano. Aliás, o CD de canto gregoriano é um dos artigos mais vendidos do Mosteiro.
    Mosteiro da Ressurreição foto retirada do site dos padres beneditinos

    Mosteiro da Ressurreição foto retirada do site dos padres beneditinos


    Abadia da Ressurreição, foto retirada do site do Mosteiro da Ressurreição

    Abadia da Ressurreição, foto retirada do site do Mosteiro da Ressurreição


    O Mosteiro oferece a possibilidade de retiros de até seis dias, de terça a domingo, conforme a disponibilidade de vagas. Não se trata de uma pousada, e sim de um prolongamento do mosteiro com normas e orários. A taxa cobrada para ajudar na manutenção e alimentação é de R$ 50,00 por dia, por pessoa.
    (Ludmila)

      

      Vila Velha e suas furnas

      Furnas-Vila-Velha
      As furnas são depressões semelhantes a crateras, de formato circular e paredes verticais.Elas não se situam na mesma unidade geológica dos arenitos avermelhados, o Arenito Vila Velha, mas sim em uma unidade geológica que está abaixo do Arenito Vila Velha.furnasAs furnas ocorrem na região dos Campos Gerais do Paraná, sendo conhecidas pelo menos 14 delas. No Parque Estadual de Vila Velha aparecem seis furnas, estando duas em estágio terminal: a Lagoa Dourada e a Lagoa Tarumã. São consideradas assim pelo fato de estarem quase que totalmente preenchidas de sedimentos.
      A visita a essa parte do parque é feita, unicamente, por ônibus com guia credenciado.
      20150125_161505elevadorA primeira furna visitada, a mais impressionante, tem 100 metros de profundidade: 50 metros abaixo da água e 50 metros acima. Contou-nos o guia que, até algum tempo atrás, o obsoleto elevador (da época da segunda guerra) descia os 50 metros e deixava os turistas numa pequena plataforma ao nível da água. Hoje , o elevador continua lá, inativo, um monumento mastodôntico sem qualquer serventia. Uma pena que os pontos turísticos do Brasil sejam tratados com tanto descaso. A maioria dos turistas são estrangeiros: alemães, japoneses, franceses, norte americanos. Ouvem-se todos os idiomas e percebe-se a frustração de todos com o pouco cuidado dispensado às nossas maravilhas da natureza…
      elevador 2
      20150125_161929

      Por este caminho calçado chega-se à segunda furna, mas, a visão de seu interior, infelizmente, é impedida pela mata que cresce ao redor… O parque é muito belo, Não permanecemos mais tempo porque o céu escureceu e, ao final do trajeto uma chuva forte caiu na região.20150125_131437
      furna 2
      Por fim, a última foto é da Lagoa Dourada, que nessa tarde, refletia apenas o céu escuro carregado de nuvens de chuva…
      20150125_155116

        

        Vila Velha – Paraná

        Os Arenitos
        20150126_130628
        Tantas viagens fizemos entre São Paulo e Rio Grande do Sul, neste período em que residimos em Rio Grande, e, somente agora resolvemos dar uma esticada até Vila Velha, um dos mais importantes pontos turísticos do Paraná.
        O Parque Estadual de Vila Velha fica a apenas  80 km de distância de Curitiba, no município de Ponta Grossa, no km 515 da BR-376 (rodovia que liga Curitiba à Foz do Iguaçu) A rodovia  encontra-se em excelente estado de conservação e a cidade oferece inúmeras opções de hospedagem, de vários preços: desde refinados hotéis, até simpáticas e econômicas pousadas.
        Nós viajamos sempre sem reserva de hotel, e não tivemos qualquer problema com vagas, mesmo neste período de férias em alta estação.
        20150125_11341020150125_11244420150125_11304720150125_11393020150125_11414620150125_114438

        Leio no folder que “Vila Velha começou a se formar há 300 milhões de anos, antes da separação dos continentes. A região foi um oceano e, durante as glaciações, foi coberta de gelo. O derretimento do gelo, ao arrastar depósitos de rochas, causou a deposição dos sedimentos que, lavados pelos rios e pelas chuvas, formaram os arenitos (areias vermelhas) que compõem o conjunto. O processo de erosão do substrato arenoso nos últimos dois milhões de anos (causados pela ação conjunta do sol, chuva, ventos e atividade orgânica) deu origem às formas atualmente existentes, que sofrem alterações contínuas até hoje.”

        20150125_115114

        20150125_115953

        Existe uma lenda indígena sobre a região, segundo a qual o local onde hoje estão os arenitos, fora escolhida por Tupã, para ser a terra dos homens. Ali fora enterrado um tesouro, protegido pelos melhores guerreiros de todas as tribos: os apiabas, que não podiam ter qualquer contato com as mulheres. Acontece que, o índio que foi escolhido para chefiar os apiabas, de nome Dhui, tinha muita atração pelo sexo feminino. Sabendo disso, as tribos rivais enviaram a índia Aracê Poranga para seduzi-lo. Os dois se apaixonaram. Aracê levou para Dhui uma taça de bebida encantada; os dois beberam e deitaram-se à sombra de um ipê.

        Tupã, furioso, fez com que um terremoto destruísse a terra dos homens, que virou a cidade de pedra (Itacueretaba). Aracê e Dhui foram petrificados um ao lado do outro, assim como a taça, que se tornou o principal cartão-postal de Vila Velha. O tesouro, liquefeito, transformou-se na Lagoa Dourada.
        Lud cálice2015-01-25 19.56.4120150125_161858

        O parque fica aberto das 8h30 às 17h30, mas os bilhetes só podem ser comprados até às 15h30, quando mais nenhum visitante pode entrar no parque. Nas terças-feiras o parque fecha para manutenção.
        Estudantes com carteirinha e residentes com comprovante pagam meia-entrada. Pessoas acima de 60 anos, crianças de até 6 anos e portadores de necessidades especiais têm entrada gratuita. Onibus especiais estão à disposição para levar os visitantes até as trilhas. Não é mais permitido o uso de veículos próprios para se chegar até os pontos turísticos, como antigamente.

          

          Caleidoscópio

          “>

          Busco na vida, a magia. A delicadeza em meio à aridez do cotidiano, ela que espanta a rotina, que revoga a mesmice, que dissolve o tédio, que permite inesperadas descobertas: Novos sonhos, novas sinapses, trocas, encantamento. O viver é um poema contínuo que se realiza em mim a cada instante, assim, vou ocupando as moiras que tecem meu destino, com novos pontos, inusitados nós, cores e formas, alongando os fios da vida, de forma tal, que me permitam descobrir outros roteiros. Envio-lhes intermináveis novelos de linhas para que me prendam a abstratas tessituras. Preciso de horizontes instigantes que me remetam à dunas que se movem, grão a grão e possibilitem que o meu vir a ser seja repleto de ação criativa, me reinventando a cada nó. Horizontes estanques me desarmam.
          Seria um jogo? Não! Penso que viver é como inserir-se num caleidoscópio. As possibilidades estão todas ali, naquele tubo onde se espelha a vida. Cabe a mim girá-lo, formando combinações diversas, agregando cores, luzes, frágeis composições que podem reagrupar-se a partir de um sopro, de um leve movimento de dedos e formar novos desenhos. Novas possibilidades de existir.
          Faço de meu mundo este caleidoscópio. Muitos acham os desenhos embaralhados e se perdem nas combinações. Eu não! Sei exatamente a minha cor e forma, e descobrir o novo encaixe é instigante, porque é sempre outro desenho que se forma. Buscá-lo, em todas as suas variantes possíveis, para mim, é entender o sentido da Vida e vive-lo plenamente, sem temer o breve pulsar da felicidade.
          Ludmila

             

            Estrelas líquidas

            Noite estrelada Vincent Van GoghDevaneios

            Há noites em que as estrelas ficam líquidas no céu. Então, elas pingam sua leveza luminosa dentro de nossas retinas. Nesses momentos a gente clareia a alma e a solta da gaiola de ossos para que passeie sobre a terra: esfera intercalada por sombra e luz, gritos e silêncios, perdão e culpa, esperança e medo, dor e alegria. Ela, então, abdica de todas as urgências, interliga os opostos e retorna plena, flutuando feito pássaro noturno em busca do ninho, imortal, na falácia do tempo… (Ludmila)

            Imagem: starry night by alex ruiz, em homenagem a Vincent Van Gogh

               

              Noturno de Chopin

              Livia

              “Converso com minha mãe através do Noturno de Chopin. Ela me diz as notas esquecidas para eu tocar a vida.”
              (Livia Garcia Roza)

              Livia Garcia-Roza nasceu no Rio de Janeiro e é psicanalista. Estreou na ficção em 1995, com o romance Quarto de menina. Depois vieram Meus queridos estranhos, em 1997; Cartão-postal, em 1999; Cine Odeon, em 2001; Solo feminino, em 2002 (os dois últimos indicados ao prêmio Jabuti); e A palavra que veio do Sul, em 2004. É organizadora da antologia de contos Ficções fraternas (2003) e integra a coletânea Boa companhia – Contos (Companhia das Letras, 2003). Suas obras mais recentes são: Amor em dois tempos (2014) O caderno de Liliana (2011) A Cara da mãe (2007) Era outra vez (2009) e Restou o cão (2005)

                

                Patagônia: Rutas del Fin del Mundo

                Patagonia 2
                Patagonia 4
                Patagonia 5
                Patagonia 6
                Patagonia, Jarbas
                Patagonia1
                Patagonia 3

                Crónica de viagem

                “A Patagónia é um mito, foi e será território alimentador de mitos. Para mim, até o dia da minha primeira incursão, foi sempre território imaginário, tão distante, misterioso e intangivel como o Grande Deserto da Austrália ou a Ferrovia Transsiberiana, com alguma aura mal afamada de Velho Oeste, isto é: natureza em estado bruto, terra de ninguém, terra sem lei, arrancada aos povos autóctones ao custo de desmedida truculência. E com uma história escrita pelos vencedores. Há muito tempo eu sentia uma espécie de “chamamento”, e à medida que fui me internando no território que o espelha, o das narrativas, entendi que esse “chamamento” impulsionou todos os que baixaram a estas terras inóspitas. Como diz Guillermo Saccomano, ensaista argentino (Narrar al sur) exploradores espanhóis e holandeses, naturalistas ingleseses e franceses, religiosos italianos, colonos galeses, estrategas argentinos e milionários norte-americanos parecem ter coincidido, ao longo de quase cinco séculos, de que ali está o que buscavam: um lugar estratégico, a chave para desvendar uma charada científica, um recurso natural e uma beleza extasiante que vão se extinguindo no resto do planeta, uma Cidade Encantada, na qual abunda o ouro, e também certa ideia da vida eterna, que já não espanta mais ninguém.”

                Por Frederico Füllgraf
                imagens do fotógrafo jacareiense Jarbas Mattos
                Favor não publicar sem a permissão do autor

                Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...