Mar de dentro

251509_224725037538297_1174021_n
Eu era o mar por onde navegavas: cintilação, estrela, nuvem, alga, quimera, feixe de luz, barco de espuma, bruma.
Teu corpo envolto por um sopro azul flutuava no itinerário lento das marés. E um manto de escamas o recobria.
E havia dunas e aves que sonhavam ultrapassar a inatingível linha do horizonte.
E havia o vento que varria as nuvens, que encrespava as ondas, que levantava a areia, que me dilacerava as entranhas.
Em ti dançava o sal das águas e em mim o medo cego dos naufrágios. (Ludmila)

    

    Ave, poesia!

    14355583_1257440557619637_1813643980717461892_n
    Há certos momentos obsessivos em que intuo tua presença que em mim lateja. Estrelas preenchem meus olhos e a lua é foice de luz que me atravessa a alma andarilha. Fecho os olhos para ouvir-te e tua canção é sangue que alimenta minha loucura. Na catedral que ergo em mim para adorar-te, esse fervor coagula minhas crenças e tua rude beleza então se revela. Ave poesia! (Ludmila)

       

      Há dias em que escrever não basta.

      14264105_1249635728400120_8444050709089509569_n
      Há dias em que escrever não basta.
      É quando uma estaca crava-se no peito e emudecem as palavras.
      A mão pende, inativa. Reflui a canção na boca. A tristeza entra pelo papel, áspera, profunda e o exílio me toma em seus braços.
      Fujo de mim. Mas quem foi que cortou o cordão umbilical que me ligava aos sonhos? (Ludmila com ilustração da Internet)

        

        Indizível nome

        maxresdefault
        Doce…que seja doce o poema, mas, o coração estremece ante o arbítrio do barro misterioso no qual germinam as sementes das palavras. E é entre soluços que eu o concebo. Doto-o de guelras para que respire e de mandíbulas para que abocanhe as letras. E lhe ordeno: Faça-se poema! E ele se faz numa palpitação que delira ao ver-me. Eu: múltipla, ardente, arrebatada, apaixonada pela minha criação. Então, o poema me transcende e me chama pelo indizível nome. (Ludmila)

          

          Setembro avança

          primavera-4
          Setembro abre sua cauda de flores e aromas e se deita no colo dos dias. E eu, sonhando já com frutos e sementes deixo que ecoe, pleno em mim, seu nome: Primavera.
          Os jasmins desabrocham perfumando corpos, e os manacás, e as tímidas violetas. A alegria chega pelo ar e coroa campos e montanhas.
          O Vale se enche de um amor antigo, enquanto o céu pasta no rio com seu rebanho de nuvens. A natureza alarga seus braços e nos envolve cheia de promessas.Quem dera fôssemos o mel da vida! (Ludmila)

            

            Versos de sal e cinzas.

            06 (1)
            Nem sempre me inspiram as flores e as estrelas que invadem minhas retinas e as povoam de luz e de esperança.
            Também a loucura me inspira. Essa que incendeia a rotina dos dias e esgarça a certeza das coisas.
            Nascem meus versos, então, cheios de sal e cinzas, como agora.
            Digo: Vem! Senta-te à mesa e devoremos o desencanto das horas mortas.
            Vem! Desfruta dessa tristeza que me transforma em pedra, cratera, abismo.
            Vem! Te junta a mim e vamos sangrar as veias da poesia, até que os peixes cintilem na água, como as estrelas no céu. (Ludmila)
            Arte do fotógrafo russo Stanislav Aristov

              

              Bordo, logo existo!

              68e4d951-8df7-4748-ba37-286ba3af4309
              Vivo um tempo de retomada. Retorno às mesmas mãos bordadeiras que guardei junto aos retalhos de cânhamo amarelado, onde, agulha e linha fixava pontos trêmulos ensinados por dona Rodeska, professora de artes manuais. Íamos, linha a linha materializando matizes e arabescos que depois alinhavávamos num caderno de capa grossa. Ele perdeu-se junto com a minha adolescência, em alguma dobra do tempo.
              Tarefas do século passado, relembro, saudosa, mas que resgato no presente.
              Bordo. E o vai e vem contínuo da agulha penetrando o pano, me relaxa. É um mantra que pratico com as mãos. Com linhas coloridas avanço: passo a passo. Traço a traço. Bordo Maria. Ela, deixada por último sobre a mesa, entre tantos outros riscos, ficou pacientemente à minha espera, na manhã ensolarada do parque. Bendito atraso, o meu! Penso e me emociono, acrescentando mais uma flor, mais um ramo, mais um detalhe. Há de sair bela! Agradeço à inspiração da artista que a criou e sigo. Ponto a ponto.Sem pressa. Desligada de tantos problemas que nos afligem, entro em outra sintonia: a da prece. Bordar também é uma forma de oração. Ave Maria! (Ludmila)

                

                A difícil convivência dos opostos

                Noell S. Oszvald

                Estamos vivendo tempos muito complicados.
                Paira no ar um certo desconforto, uma intolerância, um baixo astral que vem opondo irmãos, amigos, conhecidos que já não se reconhecem e começam, infelizmente. a se desprezar.
                Há os que adotaram a cor verde/amarela como bandeira e há os que foram hipnotizados pela vibração do tom vermelho, e o complicador é que estamos todos lado a lado, navegando num mesmo barco que se encontra à deriva.
                O enorme Titanic no qual viajamos está prestes a ir à pique. O iceberg da corrupção cresceu tanto (e hoje vislumbramos apenas a sua ponta) que, fatalmente, afundará o navio, e então estaremos, todos, no Mar das Tormentas.
                Haverá embarcações e boias para que todos nos salvemos? Não sei, mas logo, logo saberemos. Inevitável se torna, a essa altura, evitar a tragédia anunciada.
                Os passageiros da primeira classe celebram a vida no convés, enquanto o comandante nos leva para águas cada vez mais turbulentas. E nós, viajantes do andar de baixo, somos obrigados a alimentar as chamas da caldeira, com o suor de nosso corpo e o esforço sobre humano de nossos braços já cansados de remar contra a maré. Sentimos então, uma tristeza, um desânimo, uma angústia sem tamanho. Onde estará o tão sonhado porto de chegada para que, em fim, desembarquemos?
                Que itinerário é este que não escolhemos, perguntamos exaustos e começamos a nos revoltar contra tudo e contra todos: contra o navio, o capitão, a classe executiva, o mar revolto… e nossa tristeza é substituída pelo ódio. Pela raiva. Pelo medo. Passamos então a dar espaço a todos os demônios que habitam o nosso lado negro. Vociferamos contra o comandante, amaldiçoamos seus imediatos, maldizemos os passageiros privilegiados e anelamos, do fundo de nossa alma, que este navio vá à pique! Mas, detalhe: também estamos nele! Caso o navio afunde, todos pereceremos nessa viagem.
                A única forma de sobreviver que nos resta, é olharmos para o distante horizonte e acreditarmos que a tormenta há de passar em breve. Então, nos agarramos ao leme da esperança, e oramos para que a justiça, a ética e a moral prevaleçam neste mar revolto e nos conduzam novamente à terra firme. (Ludmila)

                (Crônica para a Revista Absollut com fotografia de Noell S. Oszvald)

                  

                  O orvalho da alegria

                  caters_ladybird_dew_01
                  Nestes momentos de melancolia em que a alma pede tréguas ao corpo fatigado, cala-se a boca, os olhos perdem-se na linha do horizonte e eu sorvo o silêncio, estancando em mim todo o desejo. Minhas mãos tombam inertes sobre o colo e o coração é um instrumento de argila que ecoa na gruta da carne. Por ele escorre apenas o sangue das horas. Estou inteiramente isolada em meu sepulcro que me defende da agrura indecifrável dos dias. A solidão não me espanta, antes, frutifica-se em letras vivas que brotam sonoras no solo sagrado do poema. Elas, misteriosamente, dissipam as trevas e espargem o orvalho da alegria. É preciso abandonar-se, às vezes, no meio do caminho para retornar à estrada da vida. (Ludmila com foto da Internet)

                  Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...