O Rio e o Mar

James Storer: Arcos da Carioca com a Rua Matacavalos  Internet

James Storer: Arcos da Carioca com a Rua Matacavalos Internet


Amigos que me leem.
Gostaria de sugerir-lhe, aos que preferem o recolhimento nestes dias de reinado de Momo, uma obra magnífica, escrita por uma pessoa que admiro muito: Tereza Campos. É um romance épico, que se passa no Rio de Janeiro, no início do seculo passado, e que tem por título O Rio e o Mar.
Sou testemunha de seu nascimento e da vasta pesquisa desenvolvida por Tereza, para adaptar os personagens a um período histórico ímpar, onde ficção e realidade se casam e se intercalam, nos apresentando a um Rio de Janeiro que sofre todas as consequências para adaptar-se à modernidade na passagem do Império para a República recém instituída.
Nada melhor do que a própria autora apresentar-nos à sua obra:
Aos leitores: O Rio e o Mar em palavras breves
O Rio e o Mar se passa em grande parte na cidade do Rio de Janeiro de 1904 e conta a vida de dois casais: as esposas cometem adultério, um marido conspira contra o governo e o outro o combate enquanto faz tráfico de influência.
A prescrição do banho de mar, atividade somente terapêutica por essa época, é o estopim dos conflitos das esposas e a aprovação de leis de reforma urbana dá origem à trama dos maridos.
Outros personagens enredam-se nessa teia de desejos, ambições e embates e os dramas pessoais de todos alcançam seu ponto máximo quando uma revolta popular eclode e um golpe de Estado se põe em marcha na cidade do Rio.
Se você gosta de enredos de época, de saber mais sobre os idos de outrora, de se enveredar por temas sensíveis, inclusive aqueles relacionados ao livre-arbítrio e ao poder, O Rio e Mar é a escolha certa. Oferece-lhe cenas belas e a oportunidade de se emocionar, rir, pasmar e refletir diante de um passado que espelha questões íntimas e públicas que mais parecem as dos dias atuais.
Boa leitura,
A autora
http://www.orioeomar.blogspot.com.br/2014/11/o-mar-capitulo-um-1904.html

       

    Lá e de volta: Diário de Moscou

    OLYMPUS DIGITAL CAMERA
    Ah…como é bom poder tocar de novo a infância, olhando esta paisagem pela janela: O pomar carregado de macieiras. No vaso de boca larga, flores recém colhidas no campo. Sobre a mesa da sala, posta para o lanche, a sempre presente geléia de morangos (feita em casa) o bule de água quente para o chá e o insubstituível pote de torradas. Tudo tão familiar e íntimo. Tudo tão presente nesta tarde que desce, vestida de sol, sobre a casa hospitaleira na qual me encontro. Sombras de rostos conhecidos afloram de dentro da claridade, interrogando-me sobre tantos caminhos que já trilhei. Inquirindo-me sobre atos, razões, sentimentos. Sobre os vivos e os mortos. Não! Agora não…Eu peço! Não me perguntem nada! Deixem-me ficar apenas, ancorada neste silêncio! Permanecer assim, despida de qualquer raciocínio, nesta relação pura com a quietude de corpo e alma. Sem movimentos. Sem respostas. Sem compromissos. Tomada unicamente pelo prazer de saber-me em sintonia para maravilhar-me novamente com cores, sons, texturas. Livre para mergulhar no universo de uma outra casa, aquela, da infância, embutida na memória, abrindo portas muito devagar para não quebrar o encantamento. Para poder sentir de novo a vibração particular e única que alguns espaços produzem e refletem em nós. Estremecer de alegria incontida ante a visão do ícone da Virgem de Kiev, iluminado pelo lampadário, das ameixas e peras sumarentas guardadas na fruteira, da abundancia de pão e mel na mesa sempre posta da cozinha, a toalha de flores miúdas e vermelhas, bordadas em ponto de cruz pela avó. Abraçar cada livro, cada foto, cada quadro, cada bibelô. Rever cômodo por cômodo e sua mobília improvisada. Perambular pelos recantos secretos do jardim, reconhecendo plantas e insetos. Sentar-me à velha escrivaninha colocada no terraço e reler os diários escritos em caligrafia ainda não muito definida, por uma menina que anelava um futuro feliz, e o obteve. Com alguns contratempos, é claro,mas, noves fora, as somas e divisões deram sempre certo. Toco-me, como que em busca de um reconhecimento. Toco-me do passado. Toco-me plena de ternura pela mulher que surgiu, o rosto aberto às inevitáveis tempestades. E também às tardes de sol poente, como esta. Toco-me e entro em contato com todas as mulheres que me precederam nesta família na qual nasci. Relembro seus temores, suas lutas, suas vitórias. As lágrimas de saudade pela vida que se deixou para trás, do lado de lá do oceano. Os aventais sujos de farinha, os domingos passados na faxina, a leitura de poemas infantis de Puchkin, à luz daquele abajur artesanal que imitava um cogumelo. E sombras de mãos inventando cenários nas paredes povoadas de Babas Yegás e fadas salvadoras. Toco-me e uma vertigem me atravessa a alma. Esta sou eu, no futuro, resgatando minha própria história. Esta sou eu, viajando pela pátria de meus antepassados, alimentando-me de saudades e descobertas. Esta sou eu, sou todas nós, tomando chá de jasmim numa datcha longínqua reunindo passado e presente que tecem meu futuro. Sim, esta sou eu!
    Ludmila Saharovsky Moscou 2003

      

      Para onde vai o amor que se perde?

      426438_352571868098006_497298562_n
      http://www.contioutra.com/historia-de-kafka-e-menininha-da-boneca-perdida-em-berlim-para-onde-vai-o-amor-que-se-perde/
      Fiz a pergunta no meu face: Para onde vai o amor que se perde?
      Aqui estão algumas respostas:
      Regina Lucia Arantes Dipp Não se perde…nos ensina um amor melhor!
      Manoel Ricardo Jurema Ele não se perde, mas se transforma. É uma energia que flui sem parar. Caso o fluxo encontre um coração fechado, se transforma e muda a trajetória, seguindo outros rumos, provocando outros efeitos. É o princípio da condução de energia sem fim. Em muitos casos, vai até o Universo e retorna mais intenso.
      Maximiliano Piccina Coloca embaixo de uma pedra, em um lugar afastado, e nunca chegue perto do lugar.
      Maria De Bragança Acho que Manoel Ricardo Jurema definiu muito bem. E volta pra vc. se der espaço pra ele.
      Eliane Peixoto O amor, quando verdadeiro, nunca se perde.Vive de si mesmo…
      Lírio Do Campo O amor verdadeiro não sei se acaba se perdendo, mas pode murchar, ser sufocado por escolhas e atitudes (ou sua falta).Porém, se a gente ama amar, pode deixar a vontade da entrega reservada para um outro alguém que esteja disposto a se despir do medo de amar.
      Roze Pimentel Você quer um pouco de amor? Toma-me. Sou todo seu. Assim como um Fenix, diante da aceitaçāo, êle se sente mais vivo que nunca. Será que estou delirando?
      Livingstone Maynardes Acho que fica “adormecido”. Quando retorna, se transforma em amor verdadeiro.
      Birma Vicentin Amor não se perde, espalha-se. E espalha-se tanto que dá a ilusão de perdido. Um truque da alma pra nos obrigar a nos encontrarmos conosco sempre e sempre, cada vez que saímos de nós para reencontra-lo! Daí o encontramos em tantos lugares…e pessoas! Dureza é quando aceitamos que está perdido!
      Everson Romero Cada Amor que pulsa em um coração é uma Estrela a luzir no Céu. Cada Amor que se apaga em um coração, é uma Estrela que se apaga. Os Amores que morrem viram buracos negros, tal como as Estrelas que já não mais brilham, tornam-se antimatéria, o que se expandia, agora se contrai até se auto engolir, por isso é sempre mais interessante que os Amores que findam se tornem Amizades ou ao menos não virem inimizades. O que um dia nasceu, cresceu e se expandiu, deve continuar se expandindo, do contrário, promover-se-á o movimento reverso e o Universo irá regredir…
      Leila Maria Capucci Abdalla O amor não se perde, transformasse em energia positiva, espalhada no Universo.
      Luciana Ferreira Acho que ele adormece…
      Elke Lubitz frestas da vida…
      Daniela Cambuzano Tia Lu o Manoel Ricardo Jurema definiu bem…mas concordo com o Livingstone Maynard e com a Luciana Ferreira, acho q fica adormecido…
      Marco Antonio tbm concordo ele adormece.
      Eliana Fonsi acho que fica escondido num canto do coração pra não doer!
      Manoel Ricardo Jurema Eu ainda penso que quem fica adormecido é o próprio coração, como que anestesiado, entorpecido….porém, o amor, como energia fluente, continua passando e fluindo, como as águas que contornam as pedras num riacho, sem que suas trajetórias sejam interrompidas. Quando eu disse anteriormente que o amor, quando volta do Universo com mais intensidade, ele volta tão forte e intenso, que muitas vezes, consegue romper as mais duras cascas cardíacas…tanto bate, até que fura. Tanto bate, até que desperta…
      Maria De Bragança Na maioria das vezes, quando é um amor de verdade, fica guardado no coração pra poder dar motivos pra SAUDADE aflorar.
      Alicia Domínguez O Amor si foi Amor, não se perde.Permanece em nós, batendo, esperando um melhor sol que o acolhe e da chuva que sacíe sua sede em justa medida….e volta.
      Sílvio Ferreira Leite Penso que o amor se transforma em outra forma de amar.
      Elaine Rocha Nenhum amor se perde. O amor que voce da, fica em voce para sempre.

      Eu acredito que ele vá à casa da esperança, que lhe ensina como retornar… (Lud)

        

        Cataratas do Iguaçu

        20150126_203839

        20150126_203151

        20150127_121802

        20150127_122520

        20150127_123350

        20150127_152839

        20150127_123539

        20150127_123813

        20150127_125116

        20150127_131919

        20150127_135158

        20150127_135234

        20150127_135811

        Viajar até as Cataratas é sempre uma emoção renovada, pois, dependendo do período em que você as visita, a paisagem se modifica. Tivemos a sorte, desta vez, de pegar um período bastante chuvoso, o que fez com que o volume de água tornasse as quedas d’água imensas em seu volume no Rio Iguaçu. A caminhada pelas trilhas no meio da mata, até a Garganta do Diabo é um passeio e tanto.
        As Cataratas do Iguaçu recebem anualmente mais de 1 milhão de visitantes, sendo mundialmente reconhecidas pela sua beleza. Localizadas dentro do Parque Nacional do Iguaçu, na fronteira entre Brasil e Argentina (nas cidades de Foz do Iguaçu e Puerto Iguazú), possui uma estrutura qualificada para o recebimento do turista, com centro de visitantes, estacionamento, hotel, restaurante, ônibus internos, passeios adicionais, lojas de lembranças, praça de alimentação e trilha de caminhada para acesso às quedas. O único problema é a presença constante de quatis, que não dão sossego: pulam nas sacolas, não podem ver um pacote de biscoitos que avançam destemidamente, roubando lanches e sorvetes e arranhando os mais distraídos. Todo o cuidado é pouco!
        Existem duas opções para se conhecer as Cataratas do Iguaçu: pelo lado brasileiro ou pelo lado argentino. São passeios separados já que são experiências com perspectivas diferentes. O acesso às Cataratas do Iguaçu pelo Brasil, é feito através do Parque Nacional do Iguaçu, e pela Argentina, através do Parque Nacional Iguazú, neste caso é necessário ingressar no país através da Aduana, sendo essencial a posse de seus documentos pessoais. Existem também opções mais radicais, como o passeio de barco e de helicóptero. A cidade possui uma infinidade de hotéis, assim, não tivemos problema em nos hospedar na Av. das Cataratas, a cerca de 8 km do Parque, sem fazer reserva.
        Outras opções de lazer são a visita ao Museu de Cera, ao Parque da Aves e, logicamente, às compras na zona franca na Argentina, que nós dispensamos pois já havíamos gasto a nossa quota na cidade de Rio Branco, no Uruguai, vizinha de Jaguarão, no RS., de onde estávamos vindo.

        Aves1

        aves2

        aves3

        aves4

        aves5

        aves6

        aves7

        aves8

           

          O Museu do Mar na Ilha de São Francisco do Sul – SC.

          Museu do Mar
          Os galpões da extinta empresa de navegação da Cia Hoepcke, no município de São Francisco do Sul, a 189 quilômetros de Florianópolis, hoje abrigam o Museu Nacional do Mar – Embarcações Brasileiras. Ele foi criado em 1991, inaugurado em dezembro de 1992 e aberto oficialmente à visitação do público no início de 1993.
          Entre 2003 e 2004, o local passou por obras para receber uma grande diversidade de embarcações. O acervo está organizado em 18 salas divididas por temas. Entre as peças disponíveis à visitação do público, estão mais de 91 barcos em tamanho natural.
          Entre os modelos de embarcações abrigados no local estão canoas como as de um pau só, as bordadas do litoral catarinense, do baixo São Francisco, de tolda ou sergipana e chacheira do Rio Grande do Sul. Há ainda as baleeiras de casco liso ou trincado, pintadas de cores vivas, que são, do ponto de vista da carpintaria, verdadeiras obras-primas.
          O acervo conta ainda com traineiras, botes, jangadas (de cinco paus e de tábuas), saveiros da Bahia e o cúter do Maranhão. Na sala dedicada ao navegador Amyr Klink, famoso por várias expedições, entre elas a travessia a remo do Atlântico Sul (1984), está disponível à visitação a canoa que ele ganhou quando criança. Seu barco IAT, usado na travessia de 1984 e que ficou em exposição no museu, foi levado para restauro e, no momento, não integra a mostra. (informações e imagem retiradas do site http://www.fcc.sc.gov.br/museudomar//pagina/14895/historico) As demais fotos são de minha autoria. Ao final da visita deparamos com um delicioso e aconchegante café, onde pode-se folhear livros e revistas e que tem uma bela loja de souvenires.

          20150122_164057
          20150122_162917
          20150122_164206
          20150122_164353
          20150122_170600
          20150122_170728
          20150122_171158
          20150122_172822
          20150122_172913
          20150122_172931
          20150122_173458
          Algumas casas adjacentes ao Museu do Mar ostentam simpáticas plaquinhas que identificam seus moradores!
          placa 2
          placa
          As lindas paisagens de São Francisco permanecerão para sempre em nossa memória. Este é um lugar que vale a pena conhecer!
          20150122_120557

          20150123_112556

          20150123_112611

          20150123_115139

          20150123_125048

          20150123_125123

          20150123_184522

          20150123_185230

          20150123_191458

          20150123_191545

          Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...