Ternura antiga

corpo mulher

Ternura antiga

Eu te convido à minha casa. Entra!
Pousa teu olhar sobre as videiras.
Eu as plantei para saciar-te a sede.
E o pão também é teu
São teus o vinho e o lume.
Para consagrar-te nao construi altares
Só te falei numa linguagem pura
E a essencia do amor selou o entendimento
E teu corpo estremeceu dessa ternura.
(Ludmila)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
    

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

    Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>