Quisera escrever-te um soneto

poema liquefeito
Quisera escrever-te um soneto
mas me faltam rimas.
Vestida de palavras
penetro no silêncio
que nas estrofes reina
e, em meio às linhas
surge teu nome
liquefeito.
Ele abre-se em mim
flor de algodão e arpejos
e o poema nasce, rutilante.
Ele escorre feito mel e me alimenta.
Só assim consigo concebê-lo:
Em transe!

(Ludmila)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
    

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

    Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>