Um fraterno mundo amarelo

Van Gogh e Sônia
Van Gogh
Saímos de Paris bem cedo, logo que entrei no carro e registramos no GPS o destino Auvers-sur-Oise, minhas mãos suavam e meu coração estava sem prumo. Aquele encontro havia sido marcado anos antes, depois do saque a uma lixeira. Foi durante uma tarde enamorada. Enquanto tomávamos sorvete, vi um senhor depositar no lixo um saco de livros. Raras audácias são mais legítimas que aquelas realizadas pelos namorados. Eu, engenhosamente, pedi e ele sucumbiu. Invadiu a lixeira e o objeto do saque foi parar no porta-malas do Opala verde. Dentre os livros, uma biografia de Vincent Van Gogh, edição de Lisboa, início de século XX.
Entramos na rodovia rumo a Van Gogh. Sabia o que encontraria lá depois de tantas leituras, visitas virtuais e viagens por suas telas, mas jamais poderia me preparar para o que sentiria naquela manhã fria e chuvosa de novembro. Logo na entrada de Oise, as pequenas casas do vilarejo já vão nos seduzindo. Uma avenida discreta faz vezes de máquina do tempo. As ruas vão se tornando mais estreitas, as pedras constantes, os telhados avisando que estão por lá há muito tempo e já viram tanto que uma vida apenas não me bastaria. Lamentei ser breve, naquele instante. Efêmera como as fumaças que fugiam das chaminés encantadas.
O outono me presenteou; talvez me esperasse, pois sabia o quanto é imenso meu apreço pelo ilustre e antigo morador que ali repousa. As folhas extremamente douradas caiam constantemente, o vento gelado não deu trégua e a chuva fininha, caseira, arrematou o toque final ao quadro que Van Gogh me permitiu viver.
Por todos os lados para os quais meus olhos eram sequestrados, tudo estava amarelo. As árvores, as pedras antigas, as folhas forrando o chão, as escadas, as sacadas e os telhados.
Enquanto assisto mais uma vez as imagens da paisagem eternizada na câmera, sou capaz de sentir o frio que me arrebatou naquele dia, as folhas invadem minha tela e as lágrimas que lá chorei, agora não são menos intensas. Que poderia Van Gogh diante de tanta força amarela? Render-se e nada mais. O fez profundamente.
Sua morada; a estátua discreta, mas elegante, avisando que ali ele viveu e pintou, ou melhor, que ali ele pintou e, por isso, viveu um pouco mais (foram 70 quadros em 78 dias); as vielas; as escadas onduladas e a cada esquina uma imagem familiar para quem o lê, admira e se espanta por vida tão especial e enigmática daquele que o tempo decidiu ser um gênio.
É indiscutível a genialidade de sua obra, mas tem algo em Van Gogh que me encanta tanto quanto seus quadros, a amizade entre o pintor e seu irmão Theo. Talvez seja difícil compreender esse fraterno amor os que não conseguem conviver com seus irmãos. Uma leitura superficial da biografia de ambos já espantaria os individualistas. Como Theo investiu, insistiu e cuidou tanto de um irmão imprevisível, tantas vezes irascível! Não cogitou não amá-lo. Mesmo diante de sua constante metamorfose emocional, o irmão o acolheu na família que constituía. Tentou entender seu ciúme, suas angústias, sua solidão e aceitou seu talento, possibilitando que ele se manifestasse.
Quando Van Gogh abreviou sua vida, foi com Theo que passou suas derradeiras horas, consta que conversando. Depois que morreu, o pintor de força amarela fez falta ao irmão. Theo faleceu seis meses depois; ele amou tanto seu irmão mais frágil que sua esposa fez questão de enterrá-lo ao lado de Vincent.
Fiquei por ali, algum tempo, admirando as duas derradeiras moradas discretas, antigas, limpas. Depositei minha pequenina flor amarela e agradeci por ele ter nascido, resistido, sonhado, pintado. Agradeci sua existência humana, sua resistência artística, sua transcendência permanente em nossas paredes antes vazias. Agradeci pelo exemplo de seu irmão. A lição de Theo não é menor, seu viver nos convence da beleza daqueles que cuidam dos seus, sabendo árdua a missão, não desistem diante da facilidade de poderem escolher seus irmãos, conviver com os que privam de nossas expectativas e sonhos e não nos exigem.
Theo e Van Gogh foram mais que amigos, foram irmãos. Poucos irmãos amaram tanto quanto o irmão de Van Gogh. Poucas imagens me calaram tão profundo quanto o cenário do repouso de ambos.

Sônia Gabriel
(Jornal de Caçapava, 29 de abril de 2011.)

Não há como não se emocionar com este relato de viagem, dessa moça tão especial que é Sônia Gabriel.
Professora de Historia, Pesquisadora de Cultura Popular, Especialista em gestão da qualidade do Processo Pedagógico, autora do livro Mistérios do Vale (já em segunda edição) e Co-autora, junto com Rita Elisa Seda de Eugênia Sereno, a Menina dos vagalumes, Sonia mantem um blog delicioso, que merece ser visitado por todos os apaixonados pelo Vale do Paraiba e sua historia, e suas historias, histórias de Sônia, que, como ninguém, sabe contá-las e nos encantar. (Ludmila)

misteriosdovale.blogspot.com

563346_565049576839173_1296606198_n

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
    

    9 pensamentos sobre “Um fraterno mundo amarelo

    1. Essa “nossa” menina já é herdeira constituída de nosso trabalho pela cultura do Vale.
      Seu amor pela região, aliado ao talento e sensibilidade é demais de bom! Viva a Sônia Gabriel e suas historias!

    2. Ludmila, este é um presente amarelo e uma honra que me trouxe aos sentidos o ar gelado daquela manhã. Quando vi seu post, peguei um vídeo (ficou terrível) que fiz enquanto caminhava por aquelas ruas tão antigas. Chorei de alegria por ser capaz de sentir. A minha fala trêmula, devido frio, chamava por meu pai e por minha infância em Jacareí. Veja que viagem emocional.
      Obrigada, Lud.
      Obrigada, sempre.

    3. Dyrce e Ludmila, vocês sempre tão prontas ao pedido de “ensina-me”! Nós somos privilegiados por sermos contemporâneos de suas vidas, de suas obras, de suas vontades de mais. Eu sou a mais privilegiada de todos!

    4. Li, me emocionei, li de novo e chorei…um choro terno, creio que amarelo. Agradeço sua existência humana Sonia Gabriel e a sensibilidade com que escreveu esse mais lindo e fraterno amor. Lindo, lindo…Receba um bouquet de margaridas com um laço cor de rosa…com um cartãozinho escrito assim “Voce é linda mais que demais, voce é linda assim…Sucesso”

      • Aceito as margaridas, aceito profundamente. Amo margaridas e girassóis, claro. Amo as palavras, Mara Lúcia! E, quando elas possibilitam encontros assim, troca tão generosa de sentidos e sentimentos, entendo, mais uma vez, que sempre devo amar as palavras.
        Paz e bem!
        Sônia Gabriel

        • Também amo as palavras…Amo voce…”Grandes coisas não se fazem por impulso, mas pela junção de uma série de pequenas coisas”. (Vincent van Gogh)

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

    Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>