Civilização Hiperborea Arktis em Solovki?

No primeiro capítulo do livro *O Anticristo, de FRIEDRICH NIETZSCHE lemos:
“Olhemo-nos de frente. Somos hiperbóreos – sabemos assaz como
vivemos à parte. «Nem por terra nem por mar encontrarás o caminho
para os hiperbóreos» – como já de nós dizia Píndaro. Para além do
norte, do gelo, da morte – a nossa vida, a nossa felicidade… Descobrimos a felicidade, sabemos o caminho, encontramos a saída de milénios inteiros de labirinto. Quem mais a encontrou? O homem moderno talvez? «– Não sei sair nem entrar; sou tudo aquilo que não sabe nem sair nem entrar» – lamenta-se o homem moderno… E é dessa modernidade que adoecemos.”

Solovietskie Ostrova, carinhosamente chamado pelos russos de Solovki, é um pequeno arquipélago encrustado no Mar Branco, no extremo norte da Rússia, próximo ao Círculo Polar Ártico. Quando eu lá estive, há dez anos atrás (o tempo voa!) conversando com arqueólogos, que faziam escavações nas valas no entorno dos templos, em busca dos cadáveres do Gulag, eu ouvi pela primeira vez a palavra “guiperbórea” ou Hiperbórea. Explicaram-me eles que se tratava de uma antiga civilização que floresceu “para além do Mar do Norte”. Essa antiga “Tradição do Norte”muito presente, ainda, na cultura ancestral russa segue protegida pelo frio intenso e pela neblina do tempo, atiçando a nossa imaginação e nos oferecendo provas materiais, que nem sempre temos capacidade de entender.

Reportando-nos à mitologia grega, ficamos sabendo que os Hiperbóreos eram um povo milenar que vivia no extremo norte da Grécia, próximo aos Montes Urálicos. Sua terra, chamada de Hiperbória – do grego ύπερ, hiper, “super” ou “além” e βόρεια, bóreia, “norte” traduzido como “além do bóreas”(bóreas, o vento norte) – era perfeita. Os gregos pensavam que Bóreas, o deus do vento norte, vivia na Trácia. A Hiperbórea era uma nação desconhecida, localizada na parte norte da Europa e da Ásia, próxima ao Polo Norte, que na época, conforme podemos observar em antigos mapas, não era coberta pelo gelo, como apresenta-se agora.
Nos mapas gregos do período de Alexandre, o Grande, a Hiperbórea – mostrada por vezes como uma península, por vezes como uma ilha, era uma das muitas terrae incognitae nos mundos grego e romano da antiguidade.

Plínio e Heródoto, bem como Virgílio e Cícero, relataram que nessa terra, onde o sol jamais se punha, as pessoas atingiam idades de mil anos e gozavam de vidas em completa felicidade. Também Hesíodo e Homero mencionam os hiperbóreos em seus escritos, descrevendo-os como os pais da raça ariana.

Em Solovki fiquei sabendo que no início do sec. XX houve uma expedição patrocinada pela Sociedade Geográfica Russa, em busca de vestígios desse povo, que perdeu-se entre as geleiras. Outra expedição partiu de S. Petersburgo, em 1922 sob o comando do biólogo Alexander Barchenko, que também não obteve êxito, mas, Barchenko escreveu em seu diário que encontrou inúmeros objetos ligados ao “culto do homem do período megalítico” no local onde imaginava que se localizaria Hiperboria. Suas anotações foram confiscadas pelos órgãos de segurança do governo Stalinista, e quase todos os participantes de sua expedição morreram nos terríveis anos da repressão em massa. O próprio Barchenko foi executado em 1938.

Mais recentemente, em 1986, a historiadora russa PHD, Svetlana Zharnikova, estudando mapas ancestrais bem como a remota escrita ariano eslava e comparando nomes de cidades do Nordeste russo com as antigas lendas, relatos folclóricos e historias ainda presentes no imaginário de seus habitantes, localizou a lendária cidade num espaço contido entre o Norte e o Sul do Mar Branco, tendo como limites no leste oeste os Montes Urais e a Escandinávia.
Sim! Exatamente nesse espaço localiza-se o Arquipélago de Solovki, corroborando um antigo ditado russo que diz: “lugares santos nunca perdem a santidade”.

Solovki, com seus labirintos de pedra da idade neolítica, com seus monumentos e cemitérios ancestrais, recebeu, no sec XIV um complexo de monastérios, construídos por monges peregrinos. Já no século passado, nos anos 30, Solovki foi escolhida para a instalação do primeiro Gulag do regime soviético, onde foram assassinados centenas de milhares de cidadãos inocentes, após a carnificina perpetrada por Stalin e seu regime de terror. Hoje, neste solo recheado de cadáveres, novamente respira-se o Sagrado. Quem vai a Solovki, não volta o mesmo. A ilha é imantada por uma energia difícil de descrever e voltou a receber peregrinos que lá chegam em busca de alimentos para a alma!


A descoberta, no ano 2.000, de um santuário dedicado ao Dom de Deus, no maior patamar megalítico de Khibiny (As Montanhas Khibiny se encontram dentro Península de Kola , que se estende do norte da Rússia para os os Barents e o Mar Branco. A área total da península é de aproximadamente 100.000 quilômetros quadrados) vem corroborar essa hipótese, de Solovki ser um fragmento desse imenso continente desaparecido de Hiperborea Arktis.
Eu creio, sem sombra de dúvidas, que inúmeras civilizações nos precederam nesse longo caminho da Evolução Humana, e inúmeras civilizações surgirão no futuro.
No decorrer dos séculos muitas perguntas foram feitas e muito poucas respostas encontradas, ou melhor dizendo: reveladas. Documentos importantes, como os de Barchenko, prosseguem confiscados, criando poeira em arquivos trancados pela ignorância ou pelo medo à reação às suas descobertas. Mas, os mitos, as lendas e novos pesquisadores estão aí, convidando-nos a desvendar, compreender, compartilhar e mergulhar na História da Antiguidade, buscando entender nossas origens. Cabe-nos aceitar esse convite e mergulhar de cabeça nessa, que se constitui, a maior de todas as viagens: a do conhecimento de quem somos e de onde surgimos! (Ludmila Saharovsky)
* http://www.lusosofia.net/textos/nietzsche_friedrich_o_anticristo.pdf

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
    

    9 pensamentos sobre “Civilização Hiperborea Arktis em Solovki?

    1. Fantástico! Obrigada por compartilhar informações tão interessantes.
      Eu já tinha ouvido falar sobre essa civilização dos homens do norte, mas agora tenho mais subsídios para prosseguir em minha pesquisa.
      Sou seu fã e leitor assíduo.
      Grande abraço
      Paulo

      • Obrigada, Paulo! Fico feliz que minhas leituras provoquem novas buscas e entendimento. Obrigada por escrever. E-mails de leitores me deixam sempre com a alma em festa, como agora!

    2. Li seu artigo antes de chegar por aqui !! Agora tenho onde dizer que é extraordinário, perfeito !!bjs.
      Ana Beatriz Teixeira Martino (via Facebook)

    3. Ana Luz: Via Facebook)

      Querida Lud, só agora tive o tempo necessário pra me dedicar a leitura que seu texto merece. Como todas as histórias que vc tem trabalhado em resgatar, a dos “hiperbóreos” é interessantíssima! Uma espécie de Atlântida eslava que habita (ou é habitada?) no inconsciente de todas as civilizações – a propósito belo trecho de Nietzsche na introdução -. No fundo, ela tb é uma esperança ou uma bela de uma reminiscencia de ciclos de existências em um universo que a gente tão pouco conhece. Quem sabe, muito mais do que achados arqueológicos, elas coexistam em feixes de luz a se expandir eternamente num universo sem fim? (viajei total rsrs). Aterrissando um pouco, tem tanta coisa pra pensar… a ideia cartesiana sobre “evolução”, qdo se sabe que muito tempo antes de nós existiram civilizações tão mais organizadas e longevas que a nossa, por exemplo, nos confrontam com ciclos de existência ‘apenas’, que não necessariamente consequências de uma “evolução”.

      O fato é que fiquei com mais vontade ainda de ir conhecer a sua Solovki :)

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

    Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>