Não há presente melhor do que nutrir

O baú de minha avó era um pedaço de sua pátria, encaixotada.
Quando as saudades apertavam, ela sentava-se no chão, abria a pesada tampa e começava a revirá-lo em busca de seu passado ali acomodado.
E eu, criança, viajava com ela por tantos objetos enrolados em papel pardo: livros, missais, fotos, cartas amarradas por fitas de veludo já carcomidas e descoradas pelo tempo e por estranhos e mágicos caminhos que se me abriam ali, ouvindo suas histórias.
Lembro-me do cheiro bom que dele se desprendia e impregnava a sala com inusitados aromas. Perfumes que me levavam a bosques frondosos, às nevascas – que a cada inverno cobriam com seu manto branco e macio as praças e suas igrejas – aos vendedores de castanhas assadas em fogareiros dispostos ao largo das ruas, às casas aconchegantes enfeitadas para as festas de final de ano. Nossa! Como era bom percorrer essas lembranças!
Quando eu completei treze anos, em Novembro, a avó retirou desse baú um caderno grosso, de capa ricamente ilustrada e disse que naquele ano ele seria meu presente de Natal. “Mas, que caderno é esse?” Eu quis saber. “No Natal você vai descobrir!”
Passou-se o tempo, e, a cada ano, no Natal eu o redescubro.
Ele é um misto de diário, agenda, coletânea de boas maneiras, e onde estão anotados, também, poemas, pensamentos e receitas.
Sua capa é revestida de linho cor de cereja e traz estampados dois arcanjos gorduchos e nus, folheando um livro de receitas.
Logo na primeira página, as dedicatórias:
“Anna: para que nunca te esqueças que a função mais nobre que há na terra é a de nutrir!
Com amor de sua avó Maria Fiodorovna” (Natal de 1860)
A segunda dedicatória:
“Para Alecsandra de sua avó Ana Barissovna” (Natal de 1911)
E a terceira dedicatória:
“Para Ludmila, de sua avó Alecsandra Dmitrivna” (Natal de 1960)
Em suas páginas eu navego por receitas de licores, compotas, xaropes.
Admiro ilustrações, feitas à mão, de mesas arrumadas com taças e talheres certos para cada ocasião. Leio anotações sobre como preparar um borsh ou uma conserva de pepinos, como retirar manchas de vinho de toalhas, ou como enfeitar a mesa para um almoço festivo. Mas, as receitas que mais me encantam são as de pães e bolos. E, desse meu livro raro, eu presenteio vocês, com uma receita de bolo de natal que eu sempre faço para os meus. Experimentem!
Batam com colher de pau numa vasilha funda, uma xícara de chá de manteiga ( agora tem margarina, se preferirem) com uma e meia xícaras de chá de açúcar mascavo, até ficar uma pasta cremosa. A esse creme acrescentem, sempre batendo, um a um, três ovos com claras e gemas. Depois duas xícaras de chá de farinha de trigo peneirada. Prossigam batendo. A essa massa acrescentem: uma colher de sopa de bicarbonato de sódio, 150 gr. de uva passa deixada previamente de molho em meio cálice de vinho do porto ou de conhaque,( que também é incorporado à massa) 150 gr. de nozes picadas grosseiramente ( no Brasil pode-se substituir por castanhas do Pará) uma maçã grande cortada em cubos, uma colher de chá de gengibre ralado, uma colher de chá de canela em pó e uma colher de chá de cravos amassados. Misturem tudo muito bem. Coloquem a massa numa forma retangular e alta, de pão, ou numa assadeira redonda com furo no meio, untada com manteiga e farinha. Deixem assar em forno pré aquecido por 30 a 35 minutos. Quando esfriar, desenformem e enfeitem com açúcar de confeiteiro, nozes, flores de Natal e outros confeitos a seu gosto. Sirvam com uma bola de sorvete de creme. E pronto!
Não há, na terra, função mais nobre que a de nutrir: de pão ou de carinho!
Feliz Natal!
(Ludmila Saharovsky, crônica publicada em 2008 na Imprensa Valeparaibana)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
    

    9 pensamentos sobre “Não há presente melhor do que nutrir

    1. Mara Lucia Sebbem Esteves escreveu:
      Que lindo, to chorando aqui…de primeira mão. Amo seus causos e contos…“Anna: para que nunca te esqueças que a função mais nobre que há na terra é a de nutrir!” Feliz Natal Lud
      (via Facebook)

    2. Yáscara Albuquerque escreveu:
      Há muito mais coisas dentro de uma panela do que só os ingredientes que a gente pode ver.
      Sempre entendi assim

      A gente nutre com amor, calor, perfume e um pouco de açúcar…
      (Via Facebook)

    3. Leila Onofre escreveu; (Via Facebook)

      “Anna: para que nunca te esqueças que a função mais nobre que há na terra é a de nutrir! Ludmila Saharov- vou tentar fazer o bolo nesse Natal, estou aqui coberta de neve-e com uma arvore esperando pela noite natalina. Sabe, o unico bolo gostoso que sei fazer e receita da minha avo materna. Ainda guardo as cartinhas que ela me escrevia quando eu era menina, e um pato vintage de rodinhas que ela me deu: decoro meu quarto com ele… Muito especial sua cronica . Boas Festas!

    4. Obrigado Lud por toda nutrição que me deste nestes tempos até aqui …
      Teus escritos, teu livro que li, tuas palavras, tuas fotos nos Espelho d’Água tudo, tudo mesmo me nutre a alma !!!

    5. E a Alma Vagueia entre a imaginação e a narrativa, entre os cheiros, as lembranças, os baús… minha lembrança resgata Saudades, e as lágrimas descem , transbordando este coração que , ainda bem chora de Alegria. Parabéns Amiga.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

    Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>