O nada, o oco, o vazio…

Flaubert, no volume “Cartas Exemplares” (organizado por Duda Machado) escreveu, em 1852 para uma amiga (aliás, o único contato que ele mantinha com o mundo exterior era através da correspondência com poucos amigos) que queria redigir um livro sobre o nada, sobre o vazio. A que nada será que Flaubert se referia? A que vazio? Seria o existencial? O metafísico? O espiritual? O material? O nada…simplesmente, coisa alguma?
Pareceu-me, no contexto, que Flaubert buscava uma obra que não tivesse um tema, que se sustentasse apenas pelo estilo. Um estilo tão aprimorado que se tornou inconfundível. Também pudera! Após uma desilusão amorosa, ao que se sabe, ele retirou-se da sociedade, isolando-se no campo, em solidão total. Ali, durante trinta anos dedicou-se exclusivamente ao trabalho literário. Pois é! Flaubert e sua famosa Madame de Bovary, que no fundo devia ser seu alter ego…Mas, por que Flaubert e seu desejo de compor um livro sobre o nada me vieram à mente?
Talvez porque hoje, eu também esteja querendo divagar sobre o nada. O nada da recusa de reflexões, da rejeição de argumentos, do oco das palavras. O nada do esvaziamento de doutrinas, da perda da fé, do vácuo de ideais. Quero escrever sobre este algo absolutamente sem conteúdo a que temos assistido, lido, ouvido: sobre a política do vazio, sobre o niilismo, a falência da verdade, os desencontros, os desentendimentos, as antíteses, as diáteses, as diásporas, só porque são palavras que me soam igualmente sem sentido no contexto de uma crônica.
Quero alcançar a sabedoria vegetal, a sabedoria mineral, porque a humana já me desgastou o suficiente. Quero mergulhar no nada, porque não aguento mais carregar as dores desta rotina de não ter possibilidades nem opções para mudar absolutamente um ínfimo percurso, neste mundo no qual existo. Quero mergulhar no vazio, porque cansei de todos os regimes, anarquias, utopias, propostas e promessas de construção de uma sociedade melhor, mais justa e fraterna para todos. Enfastiei-me de praticar valores éticos, morais, justiça, paz, respeito, honestidade, serenidade, que se diluem neste universo denso de idiotices. Quero uma dobra do tempo na qual não exista qualquer fresta, qualquer possibilidade de quem quer que seja invadir meu cotidiano com discursos tolos, inconsistentes e insustentáveis! Ah!…Eu desejo tanto pegar minha bicicleta azul e pedalar, pedalar, pedalar neste benfazejo vazio, em busca da Terra do Nunca, e nela, finalmente, esvaziada desta racionalidade que me sufoca, respirar! (Ludmila Saharovsky)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
    

    6 pensamentos sobre “O nada, o oco, o vazio…

    1. Caríssima,

      Sua belíssima crônica revela-me anseios comuns, pois sinto-me refém do Estado e da tessitura social em que me encontro.

      Apenas a fé me move, este anseio às vezes inominado e, às vezes tão evidente, que me converto do desespero.

      Como disse o mestre Drummond, no entanto lutamos, mal rompe a manhã.

      Besos

    2. A sua super sensibilidade e talento de poeta…é comovente. Essa sua exposição, esse seu “vazio tão imensurável” …chega a preencher esse meu vazio, que percebo “ínfimo”…de recusas de reflexões e mas com essa sabedoria “vegetal” .Me fez vácuo no seu divagar no hoje, um dia propicio para andar de bicicleta..ser senhor do pedalar, do ritmo, do “guidão” ….das direções, da contemplação, do destino e dos próprios tombos. Só os nossos vazios nos permitem isso…o livre respirar!!! (penso: Bosco)

    3. Querida amiga, nada de niilismo… hoje mesmo escrevi sobre um novo Renascimento (texto bem longo), precisamos falar sobre isso, passou da hora… Nossa segunda fase da Idade Média precisa ser superada… para entrar, de fato, num pós-modernismo… não é?

    4. belo texto,como tudo o que vc escreve…vá para a Terra do Nunca, respire, deixe lá um pouco da sua racionalidade…mas volte…todos os seus amigos (virtuais e não virtuais) precisam muito de seus “escritos”. Quando me refiro às maravilhas com que sempre nos presenteia, como “escritos”, é querendo demonstrar minha admiração, meu carinho e acima de tudo meu respeito pelo seu talento e sensibilidade! Beijo!

    5. Ludmila Saharov, o longe é isso. Onde ocorre é irrelevante. Observar o nada é angustiante. Não saber, nem ser. Apenas, estar. A noção do infinitesimal choca. Contrapõe a racionalidade na busca da vida. Qual o valor do nada?

    6. Meus queridos!
      Para mim o vazio é a matéria prima do pleno, pois somente nele tudo é possível de acontecer, inclusive as mudanças.
      Um beijo e obrigada pela leitura e ponderações.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

    Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>