Variações sobre o prazer

“Ouço, no momento em que estou escrevendo, o adágio da sonata K.330, em dó maior, de Mozart. Eu o considero uma das coisas mais belas jamais escritas. A beleza não me diz nada. Ela simplesmente me possui, toma conta de meu corpo. É uma felicidade. Tenho vontade de chorar. Meu corpo assume sua dimensão mágica, pois ele se co-move, é movido com os sons.A música toca meu corpo e ele reverbera, vira música. Eu e a sonata somos a mesma coisa. Sou a música. Esse é o sentido da experiência estética: a identidade entre a beleza e aquele que a sente. Tudo que me comove pela beleza é um espelho onde eu, Narciso, me contemplo. Sou tão bonito quanto o adágio da Sonata de Mozart.” (Rubem Alves em Variações sobre o prazer)

“Para o corpo, o impossível se transforma em possível por meio da arte. A arte faz isso: o deslocamento dos sentidos. As artes são bruxedos que operam insólitas transformações no corpo.Sabia disto Guimarães Rosa, que dizia que a poesia era uma “irmã tão incompreensível da magia” e se denominava a si mesmo de “feiticeiro da palavra e o alquimista do sangue do coração humano.” (Ruben Alves em Variações sobre o prazer)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
    

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

    Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>