Conto Mínimo: Modernidade

Não tinha mais jeito. Ela sobrava em casa.
Desde que a máquina chegou, que o marido, que os filhos, que os amigos viviam hipnotizados.
Emitindo estranhos sons e luzes o instrumento resolvia tudo: a conta bancária, as compras da semana, os deveres de escola, as horas de lazer e de prazer. Sua intimidade com o circuito foi surgindo lenta. Primeiro a rotina do pó, retirado a cada dia, depois, o suave toque nas teclas, a abertura de janelas e o diálogo estabeleceu-se, embora em língua estranha. Íntimas tornaram-se nas tardes vazias, tão íntimas que, um dia, chegando a família em casa e dirigindo-se diretamente à sala do computador, botões ligados, a mãe sorriu-lhes feliz, de dentro da tela. (Ludmila)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
    

    Um pensamento sobre “Conto Mínimo: Modernidade

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

    Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>