Sobre a arte de pintar ícones


Sobre a arte de pintar ícones
“Como conseguir essa milagrosa transfiguração sobre a prancha de madeira? Trata-se de um segredo do qual só se pode falar com uma espécie de medo sagrado, pois esse segredo poderá ser retirado daqueles que o explicarem demais. O corpo sobre o ícone vai resplandecer e se transfigurar, uma vez que, possuindo um mínimo de conhecimentos pictóricos, o pintor estará ele mesmo em vias de se transfigurar através do jejum e da oração. E o cânone que prescreve o número e quais preces é preciso dizer todo dia, antes de se aproximar da prancha de madeira, é tão importante, senão o mais importante. E o próprio trabalho do pintor de ícones se completa numa autêntica prece ininterrupta a Jesus”.
* Liubímov, L. , (A Arte da Antiga Rússia). Moscou1996

O incomensurável talento do avô para a pintura remetia nos sempre à pequena oficina improvisada num pequenino aposento ao lado de nossa cozinha, onde ele passava horas preparando as tintas de forma artesanal.
“Os antigos mestres descobriram que se você misturar a gema do ovo com pigmentos naturais, conseguirá uma tinta que não perde a cor original e nem racha com o passar dos séculos. Ela chama-se têmpera” me explicava, enquanto cuidadosamente separava a clara da gema e retirava a fina película que a envolvia, recolhendo numa cuba de vidro seu cremoso volume alaranjado. A ele acrescentava igual quantidade de água. Eu participava pingando com o conta-gotas um óleo que recendia a cravo: Para evitar o bolor. Vagarosamente, com o auxílio de uma fina espátula de madeira, o avô acrescentava pequenas quantidades de pigmento em forma de pó e misturava tudo até o ponto de emulsão. O cheiro bom de cravo impregnava-se no ambiente, em nossa roupa e em nossos cabelos pelo resto do dia. Os potes coloridos eram hermeticamente tampados e guardados em sua caixa de pintura. Nos dias que se seguiam, nossa rotina era percorrer as redondezas em busca de pranchas de madeira maciça que serviriam de suporte para a pintura sacra. Percorríamos velhos depósitos de peças de demolição, oficinas, marcenarias, até encontrarmos algumas peças que lhe pareciam apropriadas. O processo de seu preparo também obedecia a um curioso ritual. Primeiro a madeira era umedecida e deixada ao sol, para ver se não envergava ou rachava. Em seguida era lixada inúmeras vezes e impermeabilizada com uma mistura de cola e gesso. Imaculadamente branca e lisa, era deixada sobre o cavalete aguardando então que o avô se preparasse. Antes de mergulhar no trabalho, ele se purificava através de jejum severo e orações. Andava pela casa como se flutuasse…os pés mal tocando o chão. Os olhos pareciam afundar-se mais nas órbitas, as faces encovadas… Os lábios murmurando incessantes ladainhas. Confessava e comungava todos os dias. Pertencia, nestes períodos a um outro mundo que eu pressentia, mas não conseguia penetrar. Era como se uma força-espírito o tomasse e o preparasse para a criação. Quando, finalmente, sentia-se digno e espiritualmente disponível, entregava-se à obra. Pela força de sua arte, a tinta transformava-se em pálidos semblantes de corpos diáfanos, circundados por auréolas, rodeados por querubins e serafins, anjos e arcanjos. Eram desenhos simples, bidimensionais, seguindo cânones que não mudaram por séculos.
“Olhar um ícone é remeter-se ao sagrado. É sentir a presença de Deus”.
Ah..(1).dedushka…também quero pintar como você…Porque não me ensina?
“Esta é uma tarefa exclusiva de homens. Nunca uma mulher pintou a face de um santo, nenhum afresco, nenhum (2) iconostas”…
Eu o ouvia e me entristecia!
(1) diminutivo de avô
(2) parte frontal do pórtico de entrada para o altar dos templos ortodoxos e que recebe a pintura de inúmeros ícones
(Ludmila Saharovsky – fragmento de Tempo Submerso)
O ícone acima é o da Santíssima Trindade do monge Andrei Rublev. Têmpera sobre prancha de madeira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
    

    3 pensamentos sobre “Sobre a arte de pintar ícones

    1. Olá Antonio Luis! Obrigada por seu interesse.Espero lançar meu livro até o final deste ano. Ele já foi revisado e está indo para diagramação. Vamos torcer para que tudo aconteça no tempo previsto. Abraços!

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

    Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>