Crítica "A Pedra e o Lago" 2

“A Pedra e o Lago” é o espetáculo de rara beleza textual.
Criado a partir do universo poético da obra homônima de Ludmila Saharovsky, a encenação da Cia. Teatro do Interior transforma-se em uma ode ao amor que, ao passar pelo caminho árduo de paixão, apego, ciúmes, separação e perda, nos transforma e nos eleva à transcendência, ao deslumbramento pela luz Divina que ilumina as trevas de materialidade humana.
Além da maestria do texto e da trilha sonora que está à altura da dimensão poética da dramaturgia, a direção, assinada por Paulo Carvalho, destaca-se pela coerente concepção do espaço cênico quase vazio, abstrato e universal. Assim se coloca em relevo a delicadeza da interpretação de Marilda Carvalho e sua energia tocante que consegue dominar o palco e cativar a platéia.
A preparação corporal da atriz foi conduzida pela bailarina Cristiane Azevedo. Ela também atua no espetáculo e o enriquece com a expressividade plástica de sua intervenção coreográfica que faz jus à obra poética de Ludmila tornando visível o universo sutil de alma humana e suas emoções.
É de admirar também a seriedade do trabalho e a dedicação do grupo que, sem qualquer apoio financeiro, conseguiu realizar a montagem de “A Pedra e o Lago”. Com certeza, o caminho percorrido pela Cia. Teatro do Interior não é dos mais fáceis, mas, no final das contas, a recompensa é a melhor das todas quando se sente o poder mágico da arte, quando o espetáculo chega a envolver afetivamente o publico, emocionar e encantar, a um só tempo.

Elena Vássina

Elena Vássina é teatróloga e pesquisadora russa, com pós-doutorado em Teoria e Semiótica de Cultura e Literatura pelo Instituto Estatal de Pesquisa da Arte (Rússia).
Curadora artística do Festival Internacional de Teatro Tchékhov (Moscou), foi jurada de várias festivais e concursos teatrais. Atualmente trabalha como professora de Literatura e Cultura Russa na USP.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
    

    Um pensamento sobre “Crítica "A Pedra e o Lago" 2

    1. A cada vez que assisto a peça descubro novas partes nas entrelinhas que não havia descoberto antes. Esta é a diferença entre D. Elena Vássina e eu! Na primeira vez ela percebeu todo o conteúdo.
      Parabéns pela crítica!

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

    Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>