De Vênus de Willendorf ao busto de Nefertiti


Inspirada nas obras de Nero de Deus e nas palavras de Ludmila Saharovsky sobre ela, deixo aqui uma reflexão sobre as formas rotundas, que o artista adotou em suas madonas. A fonte é Camille Paglia, em Personas Sexuais, que apresenta uma visão instigante sobre a relação entre caos e arte, sociedade e natureza – e muito, muito mais.
O ponto de partida – e primeira mostra da arte ocidental – é a chamada Vênus de Willendorf, uma minúscula estatueta (11,5 cm) da Idade da pedra. Nela vemos todas as estranhas leis do primitivo culto da terra. A mulher é ídolo e objeto, deusa e prisioneira. Está sepultada na massa volumosa de seu corpo fecundo.
É bela? Na idade da pedra, a beleza ainda não surgiu como um critério para a arte. Nesse tempo, arte é magia, uma criação ritual do que se deseja. Uma invocação, um convite: mãe natureza, faça com que os rebanhos voltem, para que o homem coma. As cavernas eram as entranhas das deusas, e a arte era uma escrita sexual. Um emprenhamento. Nesse momento, a arte ainda não descobriu sua relação com o olho.
E a nossa primeira Vênus traz consigo a sua caverna. É cega. As cordas de cabelos que parecem fileiras de milho aguardam a invenção da agricultura. A ausência do rosto é a impessoalidade do sexo e da religião primitivos (não lhe remete às burcas, aos hábitos das freiras, etc?). Ainda não há psicologia nem identidade, porque não há sociedade, coesão. Só a natureza e sua explosão de elementos.
Nossa Vênus não tem olhos porque a natureza pode ser vista mas não conhecida. Transbordante, protuberante, volumosa e bulbosa, a estatueta é a noite arcaica (o inconsciente – é Dionísio). É fêmea, mas não feminina. Curvada sobre a própria barriga, cuida do caldeirão da natureza. É túmida de força primal, inchada de esperanças. Não tem pés. Colocada em pé, cairia. A mulher imóvel, sobrecarregada com seus montes inchados de seios, barrigas e nádegas. Não tem braços. São barbatanas achatadas riscadas na pedra, não evoluídas, inúteis. Não tem polegares, e, portanto nem ferramentas. Ao contrário do homem, não pode vagar nem construir. É uma montanha que pode ser galgada, mas jamais mover-se. O culto da terra, suprimindo o olho, encerra o homem na barriga de suas mães.
A natureza (o inconsciente, Dionísio) é força primitiva, rude e turbulenta. A beleza (consciente, Apolo) é nossa arma contra ela; com a beleza fazemos objetos com limites, simetria, proporção. A beleza detém e paralisa o fluxo derretido da natureza – e foi criada por homens que atuavam em conjunto. É a licença do objeto de arte para viver. O objeto existe por si próprio, como um deus. Nós o conhecemos pela vista. A beleza é nossa fuga do escuro invólucro da carne que nos aprisiona. (Maria Tereza Campos)
continua….

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
    

    Um pensamento sobre “De Vênus de Willendorf ao busto de Nefertiti

    1. Ola ludmilla,

      Sua história me contagiou…Por coincidência tem me vindo parar a mão muita história ligada ao lEste Europeu, para simplificar….Terire prazrm conversar com voce. Grande abraço Adorei seu blog.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

    Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>